Henrique Dumont

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Henrique Dumont
Henri Dumont
Nome completoHenrique Dumont
Outros nomesO Rei do Café
Conhecido(a) porSer dono de grandes lavouras e fazendas de café, ter ajudado na criação do primeiro carro a gasolina
Nascimento20 de julho de 1832
Diamantina, Minas Gerais, Brasil
Morte30 de agosto de 1892 (60 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidadebrasileiro
ProgenitoresMãe: Eufhrazie François Honnorée (1808-?)[1]
Pai: François Felix Dumont[2]

Henrique Dumont (Diamantina, 20 de julho de 1832Rio de Janeiro, 30 de agosto de 1892) foi um engenheiro[3] e cafeicultor brasileiro e pai de Alberto Santos Dumont. Filho de imigrantes franceses, é considerado um dos três reis do café da sua época, introduzindo métodos modernos na cafeicultura.[4]

Biografia

A família de Henrique era proveniente da França. Seu avô era um ourives que tinha uma filha chamada Eufrásia Honoré, que se casou com François Dumont. O sogro, convenceu o genro, François, a vir para o Brasil a procura de pedras preciosas, que alimentariam sua indústria. No Brasil o casal teve três filhos, sendo que o segundo foi Henrique Dumont.[5]

O pai de Henrique Dumont faleceu cedo, ajudado por seu padrinho formou-se engenheiro na Escola de Artes e Ofícios de Paris (o equivalente atual da Faculdade de Engenharia). Se formado com apenas 21 anos de idade, voltou ao Brasil e passou a prestar serviços à Prefeitura de Ouro Preto. Henrique Dumont e sua esposa Francisca Santos, filha do Comendador Francisco da Paula Santos, casaram-se à 6 de setembro de 1856, na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto. [6]

Durante o Império de Dom Pedro II, foi encarregado, em 1872, de construir um trecho da Estrada de Ferro Central do Brasil em Minas Gerais, na subida da Serra da Mantiqueira. Com o canteiro de obras fixado na localidade de Cabangu, a família se instalou em uma fazenda próxima; neste local, em 1873, nasceria no mesmo dia em que o pai completou 41 anos, o seu filho mais ilustre: Alberto Santos Dumont.[7]

Quando ferrovia foi concluída, Henrique Dumont decidiu dedicar-se ao cultivo do café. Sai de Minas Gerais e vai para o município de Valença, no Rio de Janeiro; nesta região, seu filho Santos Dumont, foi batizado em 1877 na Paróquia de Santa Tereza, atual município de Rio das Flores.[8]

Buscando terras mais apropriadas ao cultivo do café, muda-se para Ribeirão Preto, em São Paulo, e instala-se na Fazenda Arindeuva. A sua nova fazenda progrediu muito pois aí aplicou seus conhecimentos de engenharia e estimulou a produção com uma série de inovações. Chegou a ser a mais moderna da América do Sul, com cinco milhões de pés de café, 96 quilômetros de ferrovias e sete locomotivas. Em em 1883 foi inaugurado um ramal da Estrada de Ferro Mogiana até Ribeirão Preto, obtido por reivindicação de Henrique Dumont; este ramal foi fundamental para o escoamento da produção e para o desenvolvimento da região, trazendo centenas de imigrantes, principalmente italianos, que logo substituíram a mão-de-obra escrava.[9]

Ajudou na criação do primeiro carro a gasolina junto com Henry Ford.[10]