Globalismo
English: Globalism

Globalismo refere-se a vários sistemas com alcance além do mero internacional. O termo é usado por detratores da globalização, como movimentos populistas de direita. Embora principalmente associado a sistemas mundiais, outros fenômenos com alcance global também foram descritos como "globalistas".

Historicamente, tem sido associado a esforços internacionais após a Segunda Guerra Mundial, como as Nações Unidas e a União Europeia, e às vezes com as políticas neoliberais[1] e neoconservadoras de "construção da nação" e com o intervencionismo militar dos Estados Unidos entre 1992 e o começo da Guerra ao Terror.

Definições e interpretações

Paul James define o globalismo, "pelo menos em seu uso mais específico, ... como ideologia dominante e subjetividade associada a diferentes formações historicamente dominantes de extensão global. A definição implica, portanto, que existiam formas pré-modernas ou tradicionais de globalismo e globalização muito antes de a força motriz do capitalismo procurar colonizar todos os cantos do globo, por exemplo, remontar ao Império Romano no segundo século II, e talvez para os gregos do século V a.C.. "[2]

Manfred Steger distingue entre diferentes globalismos como o globalismo da justiça, o globalismo da jihad e o globalismo do mercado.[3] O globalismo de mercado inclui a ideologia do neoliberalismo. Em algumas interpretações, a redução do conceito de globalismo à ideologia única do "globalismo de mercado" e do neoliberalismo levou à confusão. Por exemplo, em seu livro de 2005, O colapso do globalismo e a reinvenção do mundo, o filósofo canadense John Ralston Saul tratou o globalismo como coincidente com o neoliberalismo e a globalização neoliberal. Ele argumentou que, longe de ser uma força inevitável, a globalização já está se dividindo em partes contraditórias e que os cidadãos estão reafirmando seus interesses nacionais de maneira positiva e destrutiva. Alternativamente, o cientista político estadunidense Joseph Nye, cofundador da teoria das relações internacionais do neoliberalismo, generalizou o termo ao argumentar que o globalismo se refere a qualquer descrição e explicação de um mundo caracterizado por redes de conexões que abrangem distâncias multi-continentais; enquanto a globalização se refere ao aumento ou declínio no grau de globalismo.[4] Esse uso do termo originou-se e continua a ser usado em debates acadêmicos sobre os desenvolvimentos econômicos, sociais e culturais que são descritos como globalização. O termo é usado de maneira específica e restrita para descrever uma posição no debate sobre o caráter histórico da globalização (ou seja, se a globalização é sem precedentes ou não).[5]