Génova
English: Genoa

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Génova (desambiguação).
Itália Génova (pt) ou Gênova (pt-BR) 
  Comuna  
Genova-Castello D'Albertis-veduta sul Matitone e la strada sopraelevata.jpg
Bandeira de Génova (pt) ou Gênova (pt-BR)
Bandeira
Brasão de armas de Génova (pt) ou Gênova (pt-BR)
Brasão de armas
LIG-Mappa.png
Génova (pt) ou Gênova (pt-BR) está localizado em: Itália
Génova (pt) ou Gênova (pt-BR)
Localização de Génova (pt) ou Gênova (pt-BR) na Itália
Coordenadas44° 24' 26" N 8° 56' 02" E
RegiãoFlag of Liguria.svg Ligúria
ProvínciaGénova
Área
- Total243 km²
Altitude20 m
População
 - Total639 560 (Metropolitana: 1 510 000[1])
    • Densidade 2 484 hab./km²
Outros dados
Comunas limítrofesArenzano, Bargagli, Bogliasco, Bosio (AL), Campomorone, Ceranesi, Davagna, Masone, Mele, Mignanego, Montoggio, Sant'Olcese, Sassello (SV), Serra Riccò, Sori, Tiglieto, Urbe (SV)
Código ISTAT010025
Código cadastralD969
Código postal16100
Prefixo telefônico010
PadroeiroSan Giovanni Battista
Websitewww.comune.genova.it

GénovaPE ou GênovaPB (Zena em língua lígure) é uma cidade e comuna italiana da região da Ligúria, Cidade metropolitana de Génova, com cerca de 639.560 habitantes (1.510.000 na área metropolitana[1]). Estende-se por uma área de 243 km², tendo uma densidade populacional de 2484 hab/km². Faz fronteira com Arenzano, Bargagli, Bogliasco, Bosio (AL), Campomorone, Ceranesi, Davagna, Masone, Mele, Mignanego, Montoggio, Sant'Olcese, Sassello (SV), Serra Riccò, Sori, Tiglieto, Urbe (SV).[2]

Gênova é um importante porto marítimo que rivaliza com a cidade francesa de Marselha na disputa pelo lugar de melhor porto do mar Mediterrâneo e centro industrial cujo crescimento económico e internacionalização data dos séculos XII e XIV. É também capital da província de mesmo nome, e ocupa lugar de destaque no golfo de Gênova.

História

A cidade de Génova (Gênova em português brasileiro) deve remontar aos Gregos, como atestam as escavações de uma necrópole datada do século IV a.C., mas provavelmente o porto terá tido uma utilização mais antiga. A cidade foi destruída pelos Cartagineses em 209 a.C., sendo posteriormente reconstruída pelos Romanos, que a usaram como base durante a guerra que travaram com a Ligúria.

No período que medeia a queda do Império Romano do Ocidente (476) e o século XI pouco se sabe desta cidade. A partir do século XI, Génova torna-se uma república marítima governada por cônsules. A cidade contribuiu então com o envio de barcos no combate aos corsários sarracenos nas águas territoriais italianas; aliaram-se a Pisa, para expulsar os muçulmanos da Córsega e da Sardenha mas posteriores desentendimentos geraram disputas entre estas duas cidades-estado, ambas importantes Repúblicas Marítimas.

No século XII, os genoveses alargaram o seu território e partiram para as cruzadas trazendo para a sua cidade ricos saques. Os mercadores genoveses enriqueceram bastante com o transporte de mercadorias do Médio Oriente como a seda, pedras preciosas e as especiarias, muito apreciadas na Europa por esta altura, levando-os a estabelecer entrepostos comerciais em vários pontos do Mediterrâneo e do mar Egeu, até ao mar Negro.

O comércio era facilitado pelo bom relacionamento com o Império Bizantino; contudo, as proveitosas relações comerciais com esta parte do mundo trouxeram graves conflitos com a República de Veneza, a sua rival comercial com a qual a República de Génova se envolveu numa guerra em meados do século XIII, época em que o seu poderio tinha atingido maior amplitude. Génova esmagou Pisa na Batalha de Meloria em 1284, e os venezianos foram derrotados em Curzola, em 1298, dia 8 de setembro. A partir de 1257, Génova, uma cidade governada por mercadores e banqueiros, aprendeu a lidar com reis e papas, envolvendo-se em conflitos que resultaram em divisões internas. Esta disputa pelo poder gerou grupos rivais que não se inibiram de pedir auxílio a forças externas. A desordem criada era tal que o próprio doge instituído em 1339 não conseguiu superar. Contudo, e apesar deste contexto muito conturbado, a sua pujança manteve-se até 1381, depois da "guerra de Chioggia", quando foi decidida a paz de Torino. Depois deste momento Génova perdeu os territórios tirados aos Venezianos e começou seu declínio militar. Porém o poder financeiro de Génova durou até a fim do século XVII, quando iniciou seu lento declínio; seu último reduto, a Córsega, foi cedido à França em 1768; o ano seguinte nasceu na Córsega Napoleão Bonaparte.

Panorama de Génova em 1490.

O doge Andrea Doria restaurou a estabilidade de Génova com a ajuda do sacro imperador romano em 1528. A cidade era dominada pela França e o Piemonte; no entanto, só perdeu a sua independência em 1797, com a chegada de Napoleão Bonaparte, que integrou Génova na República da Ligúria, uma província depois absorvida pelo Império Francês em 1805. Dez anos depois, Génova foi integrada ao reino de Sardenha.

Depois da unificação italiana, em 1861, e combinado com um rápido desenvolvimento industrial do norte do país, Gênova galgou a posição de maior porto marítimo da Itália.

Nesta Cidade nasceram os Papas: Inocêncio IV, Adriano V, Inocêncio VIII, Bento XV.