Finlândia
English: Finland

Suomen tasavalta (finlandês)
Republiken Finland (sueco)

República da Finlândia
Bandeira da Finlândia
Brasão de armas da Finlândia
BandeiraBrasão de armas
Hino nacional: Maamme (finlandês)
Vårt land (sueco)
"Nossa Terra"
Gentílico: Finlandês¹

Localização da Finlândia

Localização da Finlândia (em verde escuro) na União Europeia (em verde claro)
CapitalHelsínquia
60°10′N 24°56′E
Cidade mais populosaHelsínquia
Língua oficialFinlandês e sueco
GovernoRepública parlamentarista
 - PresidenteSauli Niinistö
 - Primeiro-ministroAntti Rinne
Independênciado Império Russo 
 - Autonomia29 de março de 1809 
 - Declarada6 de dezembro de 1917 
 - Reconhecida4 de janeiro de 1918 
Entrada na UE1 de janeiro de 1995
Área 
 - Total338 145 km² (65.º)
 - Água (%)9,4
População 
 - Estimativa para 20185 524 574[1] hab. (111.º)
 - Censo 20005 181 115 hab. 
 - Densidade15 hab./km² (190.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 218,296 bilhões*[2] 
 - Per capitaUS$ 40 044[2] 
PIB (nominal)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 276,275 bilhões*[2] 
 - Per capitaUS$ 49 055[2] 
IDH (2017)0,920 (15.º) – muito alto[3]
Gini (2012)25,9[4]
MoedaEuro¹ (EUR)
Fuso horárioEET (UTC+2)
 - Verão (DST)EEST (UTC+3)
Cód. Internet.fi, .ax, .eu
Cód. telef.+358
Website governamentalwww.valtioneuvosto.fi

Mapa da Finlândia

Finlândia (em finlandês: Loudspeaker.svg? Suomi , pronunciado: [suomi]; em sueco: Loudspeaker.svg? Finland, pronunciado: [ˈfɪnland]), oficialmente República da Finlândia,[5] é um país nórdico situado na região da Fino-Escandinávia, no norte da Europa. Faz fronteira com a Suécia a oeste, com a Rússia a leste e com a Noruega ao norte, enquanto a Estônia está ao sul através do Golfo da Finlândia.[3] A capital do país é Helsinque.[3][6] Cerca de 5,3 milhões de pessoas vivem na Finlândia, sendo que a maior parte da população está concentrada no sul do país.[1] É o oitavo maior país da Europa em extensão e o país menos densamente povoado da União Europeia. A língua materna de quase toda a população é o finlandês, que é uma das línguas fino-úgricas e é mais estreitamente relacionado com o estoniano. O finlandês é apenas uma das quatro línguas oficiais da UE que não são de origem Indo-Europeia. A segunda língua oficial da Finlândia - o Sueco - é a língua nativa de 5,5 por cento da população.[6][7]

O país foi uma parte da Suécia e em 1809 um Grão-Ducado autônomo dentro do Império Russo. A Declaração de independência da Finlândia foi feita em 1917 e foi seguida por uma guerra civil, guerras contra a União Soviética e a Alemanha nazista e por um período de neutralidade oficial durante a Guerra Fria. A Finlândia aderiu à ONU em 1955, à OCDE em 1969, à União Europeia em 1995 e desde o início, faz parte da Zona do Euro. O país foi classificado como o segundo mais "estável" do mundo, depois da Dinamarca, em uma pesquisa baseada em indicadores sociais, econômicos, políticos e militares.[8] O país teve um atraso relativo no seu processo de industrialização, permanecendo como um país essencialmente agrário até os anos 1950. Posteriormente, o desenvolvimento econômico foi rápido e o país atingiu um dos melhores níveis de renda e qualidade de vida do mundo já na década de 1970.[8] Entre 1970 e 1990, a Finlândia construiu um Estado de bem-estar social.

Depois de uma depressão econômica no início de 1990, os sucessivos governos do país reformaram o sistema econômico finlandês, mantendo entretanto um papel do Estado preponderante, servindo tanto como financiador de empresas privadas como sendo ele próprio um stakeholder, através de empresas públicas muito eficazes. O sistema de bem-estar social e uma tradição de estado presente impediram que as experiências de privatizações e desregulamentação econômica européias fossem plenamente incorporadas na Finlândia.[9][10][11]

A Finlândia é uma república parlamentar com o governo central baseado em Helsinque e os governos locais baseados em 348 municípios.[7] A Área Metropolitana de Helsinque (que inclui a Helsinque, Espoo, Kauniainen e Vantaa) é a residência de cerca de um milhão de habitantes e é responsável pela produção de 1/3 do PIB total do país. Outras cidades importantes incluem Tampere, Turcu, Oulu, Jyväskylä, Joensuu, Kuopio e Lahti.[7] A Finlândia é um país desenvolvido, muito bem colocado nas mais diversas comparações socioeconômicas internacionais, cuja população usufrui de um altíssimo nível de desenvolvimento humano, refletido pelo país possuir alguns dos melhores índices de qualidade de vida, educação pública, transparência política, segurança pública, expectativa de vida, bem estar social, liberdade econômica, prosperidade, acesso à saúde pública, paz, democracia e liberdade de imprensa do mundo. As cidades do país também estão entre as "mais habitáveis" do mundo, figurando entre as mais limpas, seguras e organizadas do mundo. Em 2009, o país foi classificado na 1ª posição do Índice de Prosperidade Legatum, que é baseado no desempenho econômico e na qualidade de vida.

Etimologia

O nome "Suomi" (Finlândia) tem origem incerta. Uma das teorias mais aceitas é que seja um derivado da palavra proto-báltica "Zeme", que significa "Terra", denominação também utilizada em outros idiomas bálticos, como o letão e o lituano.[12]

A expressão "Finlândia" tem muita semelhança com o nome de outros lugares escandinavos, como Finamarca, condado da Noruega, e Finuídia, pequeno território sueco. Alguns desses nomes são, obviamente, derivados de Finnr, palavra alemã que descreve um viajante e supostamente refere-se a um nômade, alguém sem residência fixa.[13] O termo Finn também costuma se referir a um grupo de 70 mil lapões com origens na Lapônia. Finn originalmente era usado para designar pessoas da Finlândia Própria no século XV, quando a igreja nomeou um bispo com autoridade que abrangia todo o país. Com o tempo, o termo passou a designar também toda a população.[13]

Entre os primeiros documentos a mencionar uma "terra de finlandeses" estão duas runas. Uma está em Söderby, Suécia, com a inscrição "finlont" (U 582), e a outra está na ilha sueca de Gotlândia, situada no Mar Báltico, com a inscrição "finlandi" (G 319), as duas são datadas do século XI.[13]