Exército Republicano Irlandês

Disambig grey.svg Nota: Se foi redirecionado(a) para esta página e não é a que procura, consulte: IRA (desambiguação).
Exército Republicano Irlandês
DatasOficialmente:
1919-2005
IdeologiaRepublicanismo irlandês
Nacionalismo irlandês
Irlanda Unida
ObjetivosUnificação da Irlanda como um estado Republicano
Organização
Origem
étnica
Irlandeses Católicos
Sede Irlanda
Área de
operações
Ilha da Irlanda e Grã-Bretanha
Efetivos
  • 100 000 em 1918
  • 1 000 a 14 500 entre 1922 a 1969
  • 30 000 no máximo entre 1969 a 1998
  • Nunca mais de 1 000 após 1998
Antecessor(es)
anterior
Exército Republicano Irlandês
Relação com outros grupos
AliadosRepública da Irlanda República da Irlanda (alegado; em especial nas décadas de 1960/1970)
Líbia Líbia
 União Soviética (para a facção marxista apenas)
 Estónia (alegado pelo FSB da Rússia na década de 1990)
Estado da Palestina Organização para a Libertação da Palestina
Eta zigilua.jpg Euskadi Ta Askatasuna
Flag of the FARC-EP.svg Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia
Estados UnidosRepública da Irlanda Doadores privados americanos de origem irlandesa
Inimigos Reino Unido
 Irlanda do Norte
República da Irlanda Estado Livre da Irlanda (1922-1937)
República da Irlanda República da Irlanda (a partir de 1937)
Ulster loyalist flag.svg Milícias protestantes pró-Reino Unido
Conflitos
Guerra de Independência da Irlanda
Guerra Civil Irlandesa
Campanha de Sabotagem do IRA
Campanha do Norte do IRA
Campanha Fronteiriça do IRA
Conflito na Irlanda do Norte
Campanha Dissidente Republicana Irlandesa

O Exército Republicano Irlandês, mais conhecido por sua sigla em inglês, IRA, foi um grupo paramilitar católico e reintegralista irlandês, que pretendia separar a Irlanda do Norte do Reino Unido e reanexá-la à República da Irlanda. Recorria a métodos terroristas, principalmente ataques bombistas e emboscadas com armas de fogo, e tinha como alvos tradicionais protestantes, políticos unionistas e representantes do governo britânico. O IRA tinha ligações com outros grupos nacionalistas irlandeses e um braço político: o partido nacionalista Sinn Fein ("Nós Próprios", em irlandês). Ao longo de mais de duas décadas de luta armada, foram mais de 3.500 mortes.[1]

A Coluna Voadora do IRA no início da Década de 1920

A principal razão pela qual o IRA lutava era a igualdade religiosa, visto que 75% da população norte-irlandesa era protestante e o pouco que restava era católica, o que fazia com que houvesse desigualdade e preconceito entre as religiões. Como os protestantes eram maioria, decidiam candidaturas políticas e plebiscitos, entre outros, impedindo que a vontade católica se manifestasse.

Em 28 de Julho de 2005, o IRA anuncia o fim da "luta armada" e a entrega de armas. O processo de entrega de armas terminou em 26 de Setembro de 2005. Todo o processo de desmantelo do armamento foi orientado pelo chefe da Comissão Internacional de Desarmamento, o general canadense John de Chastelain. Porém, grupos de dissidentes que não aceitavam a resolução pacífica da questão política continuam tentando realizar atentados terroristas, sem sucesso.[2][3]

Grupos intitulados por IRA após 1919

  • Exército Republicano Irlandês (1917-1922), também conhecido como o "Velho IRA", foi reconhecido como o exército legítimo irlandês até se ter desintegrado em facções opostas na sequência do Tratado Anglo-Irlandês, que viriam a combater entre si na Guerra Civil Irlandesa;
  • Exército Republicano Irlandês (1922-1969), a facção anti-tratado do IRA e que perdeu a Guerra Civil Irlandesa para a facção pró-tratado, mas que viria a continuar o seu combate quer contra a Irlanda do Norte bem o Estado Livre Irlandês, que considerava como fruto do imperialismo britânico;
  • , a facção marxista do IRA que se separou dos provisórios, embora tenha tido uma actividade militar reduzida; o OIRA viria a dar origem aos comunistas do Partido dos Trabalhadores da Irlanda;
  • , que foi o mais forte grupo sucessor do IRA e esteve fortemente ligado à refundação do Sinn Féin. Separou-se do OIRA por defender em se recusar a reconhecer as autoridades das duas Irlandas; o PIRA viria a terminar a sua luta armada em 1998 com a celebração do Acordo de Sexta-Feira Santa;
  • , facção que se separou do PIRA por ser contra a política do PIRA e do Sinn Féin em se apresentar em eleições na Irlanda e Reino Unido; a facção política do CIRA é o Partido Republicano Sinn Féin;
  • , uma cisão do PIRA por ser contra o processo de paz na Irlanda do Norte; a sua facção política é o Movimento pela Soberania dos 32 Condados
  • , cisão do CIRA;
  • Exército Republicano Irlandês (2011-presente), constituído por ex-combatentes do PIRA, segundo a imprensa norte-irlandesa;
  • , formado pela fusão do RIRA com outros diversos pequenos grupos armados republicanos.