Euro

Euro
Euro / Ευρώ / Евро
Dados
Código ISO 4217EUR
Usado União Europeia (Zona Euro

 Alemanha
 Áustria
 Bélgica
 Chipre
 Eslováquia
 Eslovênia
Flag of Spain.svg Espanha
 Estónia
 Finlândia
 França
 Grécia
 Irlanda
 Itália
Letónia Letónia
 Lituânia
 Luxemburgo
 Malta
 Países Baixos
Portugal Portugal
Fora da UE
 Andorra
Mónaco
 San Marino
Vaticano
Reino Unido Akrotiri e Dhekelia(Reino Unido)[1]
França Ilha Clipperton (França)
França Saint Barthélemy (França)
Saint-Pierre e Miquelon Saint Pierre e Miquelon (França)[2]
França Terras Austrais e Antárticas Francesas (França)

Outros
Kosovo
 Montenegro
 Zimbabwe

)

Inflação2,0% (2018)
Banco Central Europeu
2018
Sub-Unidade
1/100

cêntimo
Símbolo
PluralEuros[3]
Moedas1, 2, 5, 10, 20, 50 cêntimos;
1 €, 2 €
Notas5 €, 10 €, 20 €, 50 €, 100 €, 200 €
500 €
Banco centralECB
FabricanteEuropa

Euro (símbolo: ; código: EUR) é a moeda oficial da zona Euro, a qual é constituída por 19 dos 28 estados-membro da União Europeia: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Bósnia, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos e Portugal.[4][5] A moeda é também usada de forma oficial pelas instituições da União Europeia e por quatro outros países europeus e, de forma unilateral, por outros dois. Em 2018, a moeda era usada diariamente por cerca de 343 milhões de europeus.[6] A moeda é também usada oficialmente em diversos territórios ultramarinos da UE.

A moeda é ainda usada por mais 210 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais 182 milhões em África, que usam moedas de câmbio fixo em relação ao euro. O euro é a segunda maior moeda de reserva e a segunda moeda mais transaccionada no mundo a seguir ao dólar dos Estados Unidos.[7][8][9] Com mais de 995 mil milhões de euros em circulação em 2014, o euro tem o maior valor combinado de notas e moedas em circulação no mundo, tendo ultrapassado o dólar norte-americano.[nota 1] Com base em estimativas do Fundo Monetário Internacional do PIB e da paridade do poder de compra, a zona euro é a segunda maior economia do mundo.[10]

O nome "euro" foi oficialmente adotado em 16 de dezembro de 1995.[11] O euro foi introduzido nos mercados financeiros mundiais enquanto unidade de conta a 1 de janeiro de 1999, em substituição da antiga Unidade Monetária Europeia (ECU), a um câmbio de 1:1 (1,1743 USD). As moedas e notas físicas de euro entraram em circulação a 1 de janeiro de 2002, tornando-a a moeda de uso corrente entre os membros originais.[12] Embora nos primeiros dois anos a cotação do euro tenha descido para 0,8252 USD (26 de outubro de 2000), a partir do fim de 2002 começou a ser transacionada a valores superiores ao dólar, atingindo um máximo de 1,6038 USD em 18 de julho de 2008.[13] A partir do fim de 2009, a crise da dívida pública da Zona Euro levou à criação do Fundo Europeu de Estabilização Financeira e à adoção de várias reformas de estabilização monetária.

História do Euro

A ideia do estabelecimento da moeda única na CEE nasceu já na década de 70. Teve como principais defensores os Economistas Fred Arditti, Neil Dowling, Wim Duisenberg, Robert Mundell, Tommaso Padoa-Schioppa e Robert Tollison. No entanto, só pelo Tratado de Maastricht, de 1992 esta ideia passou da teoria para o Direito. Este tratado foi celebrado pelos doze países que à data faziam parte da Comunidade Económica Europeia. O Reino Unido e a Dinamarca optaram neste tratado por ficar de fora da moeda única. Na teoria os países que aderissem posteriormente à União teriam que aderir à moeda única. A Suécia aderiu à União em 1995 mas negociou entrar numa fase posterior. Os critérios para adesão à nova moeda única foram estabelecidos pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento de 1997.

O primeiro nome para o sistema de conversão entre as moedas que se uniriam foi o ECU (European Currency Unit em Inglês). O nome de Euro é atribuído ao Belga German Pirloit que assim o sugeriu a Jacques Santer em 1995. O valor da nova moeda foi ancorado ao do ECU por resolução do Conselho da União Europeia de 31 de dezembro de 1998. Esta entrou em vigor a 1 de janeiro de 1999 em forma não material (transferências, cheques, etc.) e a 1 de janeiro de 2002 em notas e moedas.