Etiópia
English: Ethiopia

Disambig grey.svg Nota: "Etíope" redireciona para este artigo. Para a língua, veja Língua ge'ez.
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
የኢትዮጵያ ፌዴራላዊ ዴሞክራሲያዊ ሪፐብሊክ
ye-Ītyōṗṗyā Fēdēralāwī Dēmōkrāsīyāwī Rīpeblīk

República Democrática Federal da Etiópia
Bandeira da Etiópia
Brasão de armas da Etiópia
BandeiraBrasão
Hino nacional: Wodefit Gesgeshi, Widd Innat Ityopp'ya
"Marche pra Frente, Cara Mãe Etiópia"
Gentílico: etíope,
etiopiano[1]

Localização da Etiópia

Localização da Etiópia no continente africano
CapitalAdis Abeba
4° 30'N 33° 48'O
Cidade mais populosaAdis Abeba
Língua oficialNenhuma a nível oficial.[2] O Amárico possui status de língua de trabalho.
GovernoRepública federal parlamentarista¹
 - PresidenteSahle-Work Zewde
 - Primeiro-ministroAbiy Ahmed
Estabelecimento 
 - Reino de Dʿmtséculo XIII a.C. 
 - Império de Axumséculo I a.C. 
 - Invasão Italianaoutubro de 1935 - maio de 1936 
 - Campanha da África Orientaljunho de 1940 - novembro de 1941 
Área 
 - Total1 104 300 km² (27.º)
 - Água (%)0,7
 FronteiraSudão, Sudão do Sul, Somália, Eritreia, Djibuti, Quênia
População 
 - Estimativa para 2016102 403 196[3] hab. (15.º)
 - Censo 200773 918 505 hab. 
 - Urbana1 346 757 hab. (186.º)
 - Densidade75 hab./km² (123.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2019
 - TotalUS$ 240 705 bilhões *[4] 
 - Per capitaUS$ 2 516[4] 
PIB (nominal)Estimativa de 2019
 - TotalUS$ 90 968 bilhões *[4] 
 - Per capitaUS$ 951[4] 
IDH (2017)0,463 (173.º) – baixo[5]
MoedaBirr Etíope (ETB)
Fuso horárioHorário da África Oriental (UTC+3)
 - Verão (DST)não verificada (UTC+3)
Org. internacionaisFlag of the United Nations.svg ONU, União Africana
Cód. ISOETH
Cód. Internet.et
Cód. telef.+251

Mapa da Etiópia

¹ De acordo com The Economist, no seu Índice de Democracia, Etiópia é um "regime híbrido", com um 'sistema de partido dominante' conduzido pela Frente Democrática e Popular Revolucionária Etíope.

A Etiópia (em amárico: ኢትዮጵያ; transl.: ʾĪtyōṗṗyā), oficialmente República Democrática Federal da Etiópia (ኢትዮጵያ ፌዴራላዊ ዲሞክራሲያዊ ሪፐብሊክ, transl. ye-Ītyōṗṗyā Fēdēralāwī Dīmōkrāsīyāwī Rīpeblīk) é um país encravado no Chifre da África, sendo um dos mais antigos do mundo. É a segunda nação mais populosa da África[6] e a décima maior em área. Faz fronteira com o Sudão e com o Sudão do Sul a oeste, com o Djibuti e a Eritreia ao norte, com a Somália ao leste, e o Quênia ao sul. Sua capital é a cidade de Adis Abeba.

Considerando que a maioria dos Estados africanos têm muito menos de um século de idade, a Etiópia foi um país independente continuadamente desde tempos passados. Um Estado monárquico que ocupou a maioria de sua história, a Dinastia Etíope, tem suas raízes no século X a.C..[7] Quando o continente africano foi dividido entre as potências europeias na Conferência de Berlim, a Etiópia foi um dos dois únicos países que mantiveram sua independência. A nação foi uma dos (apenas) três membros africanos da Liga das Nações, e após um breve período de ocupação italiana, o país tornou-se membro das Nações Unidas. Quando as outras nações africanas receberam sua independência após a Segunda Guerra Mundial, muitas delas adotaram cores da bandeira da Etiópia, e Addis Ababa tornou-se a sede de várias organizações internacionais focadas na África. Em 1974, a dinastia, liderada por Haile Selassie, foi deposta. Desde então, a Etiópia foi um Estado secular com variação nos sistemas governamentais. Hoje, Addis Abeba ainda é sede da União Africana e da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África.

Além de ser um país antigo, a Etiópia é um dos sítios de existência humana mais antigos conhecidos por cientistas de hoje em dia que estudam os traços mais antigos da humanidade;[8] podendo potencialmente ser o lugar em que o Homo sapiens se originou.[9][10][11] A Etiópia divide com a África do Sul o posto de maior número de Patrimônios Mundiais da UNESCO na África (oito, cada país).[12] O país também tem laços históricos próximos com as três maiores religiões abraâmicas do mundo. A Etiópia foi um dos primeiros países cristãos no mundo, tendo oficialmente adotado-o como religião do Estado no século IV. O país ainda tem maioria cristã, porém um terço da população é muçulmana. A Etiópia é o sítio do primeiro Hégira na história islâmica e da mais antiga população muçulmana na África, em Negash. Até os anos 1980, uma população significativa de judeus etíopes residiram na Etiópia. Além disso, o país tem, ao todo, cerca de 80 grupos étnicos diferentes hoje em dia, com o maior sendo o Oromo, seguido pelos Amhara, ambos os quais falam línguas afro-asiáticas. O país também é famoso pelas suas igrejas talhadas em pedras e como lugar onde o grão de café se originou.

No período após a queda da monarquia, a Etiópia transformou-se em um dos países mais pobres do globo e sofreu uma série trágica de períodos de fome na década de 1980, resultando em milhões de mortes. Lentamente, no entanto, o país começou a se recuperar, e hoje a economia etíope é uma das que mais crescem na África.

Etimologia

Não é muito certo quão velha é a palavra Etiópia, cujo uso mais antigo aparece na Bíblia em Gênesis, capítulo 2.[13] E também em Ilíada, onde o nome aparece duas vezes, e em Odisseia, onde aparece três vezes.[14] O uso mais antigo atestado na região é um nome cristanizado do Reino de Axum no século IV, em escrituras de pedra do Rei Ezana.[15] O nome ge'ez ʾĪtyōṗṗyā e seu cognato português são pensados por alguns estudiosos de serem derivados da palavra grega Αἰθιοπία, Aithiopia, de Αἰθίοψ, Aithiops ‘um etíope’, derivado, por sua vez, de palavras gregas que significam de "de rosto queimado".[16] No entanto, O Livro de Axum, uma crônica em ge'ez compilada no século XV, alega que o nome é derivado de "'Ityopp'is" — um filho (não mencionado na Bíblia) de Cuxe, filho de Cam, quem, de acordo com a lenda, fundou a cidade de Axum. Plínio, o Velho[17] alega, igualmente, que o nome da nação deriva de alguém cujo nome foi Aethiops. Uma terceira etimologia, sugerida por pesquisadores etíopes recentes e o poeta laureado Tsegaye Gabre-Medhin, traça o nome às palavras "egípcias, velhas e negras": Et (Verdade ou Paz), Op (Alto ou Superior) e Bia (Terra ou País), sendo Etiópia a "terra de paz superior".

No português e geralmente fora da Etiópia, o país também foi historicamente chamado de Abissínia, derivado de Habesh, uma forma árabe do nome etíope-semítico Ḥabaśāt, atualmente Habesha, o nome nativo para os habitantes do país (enquanto o país era chamado de Ityopp'ya). Em poucas línguas, Etiópia ainda é referido por nomes cognatos com Abissínia, por exemplo, à palavra árabe Al-Ḥabashah, que significa terra do povo Habasha.

O termo Habesha, a rigor, se refere somente aos povos Amhara e Tigré-Tigrínio, que historicamente dominaram o país politicamente, os quais juntos representam cerca de 36% da população da Etiópia. Algumas vezes, o termo é usado para designar os quase 45% da população etíope que usaram línguas semíticas desde tempos antigos, como os amáricos (30,1% da população), os tigrés (6,2%), os gurage (4,3%) e outras comunidades menores que falam línguas semíticas, como o povo Harari no sudeste da Etiópia. Desde que a língua amárica tornou-se o idioma oficial do país, muitos da população da RNNPS e uma porção significante das regiões Oromia e Benishangul-Gumuz usaram-na como segunda língua. Em contraste, na Etiópia contemporânea, a palavra Habesha é frequentemente utilizada para descrever todos os etíopes e eritreus. Abissínia pode estritamente se referir à apenas as províncias do noroeste da Etiópia de Amhara e Tigré, bem como a Eritreia central, enquanto ela historicamente foi utilizada como um outro nome para a Etiópia.[18]

A Etiópia também foi conhecida por ser considerada a terra dos cuxitas. O nome foi originalmente derivado do hebreu, para referir-se às nações da costa leste do Mar Vermelho. No entanto, a Bíblia é clara ao alegar que os povos cuxitas são atualmente etíopes. Quando Moisés referiu-se ao povo de Cuxe, ele se referia a uma nação parente dos egípcios. Por causa das relações políticas próximas do Egito e a Etiópia, ambas as nações, em um ponto da história sob o termo Cuxe, concordaram com os historiadores hebreus. Embora as intenções originais da palavra eram em referência a ambos os lados do Mar Vermelho, ficou demonstrado que partes da costa leste não são pertencem aos etíopes.[19]