Estados Unidos

Disambig grey.svg Nota: EUA e norte-americano redirecionam para este artigo. Para os nativos da América do Norte, veja América do Norte. Para outros significados, veja Eua (desambiguação). Para outros significados, veja Usa. Para outros significados, veja Estados Unidos (desambiguação).
United States of America
Estados Unidos da América
Bandeira dos Estados Unidos
Grande Selo dos Estados Unidos
bandeiragrande selo
Lema:
E Pluribus Unum
(do latim, "De Muitos, Um") (1776–)
In God We Trust
(do inglês, "Em Deus Confiamos") (1956–)
Hino nacional: The Star-Spangled Banner
Gentílico: americano(a), norte-americano(a), estadunidense, estado-unidense e ianque[1][2]

Localização de Estados Unidos da América

Localização dos Estados Unidos no mundo
US insular areas.svg
Territórios dos Estados Unidos no Caribe e no Pacífico
CapitalWashington, D.C.
Cidade mais populosaNova Iorque
Língua oficialnenhuma em nível federal.[nota 1]
Governorepública federal presidencialista
 - PresidenteDonald Trump
 - Vice-presidenteMike Pence
 - Presidente da Câmara dos RepresentantesPaul Ryan
 - Presidente da Suprema CorteJohn Roberts
Independênciado Reino da Grã-Bretanha 
 - declarada4 de julho de 1776 (241 anos) 
 - reconhecida3 de setembro de 1783 (234 anos) 
 - Constituição atual21 de junho de 1788 
Área 
 - Total9 371 175[5] km² (4.º)
 - Água (%)2,39
 FronteiraCanadá e México
População 
 - Censo 2010308 745 538 hab. 
 - Densidade33 hab./km² (143.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 17 416 trilhões *[6] (2.º)
 - Per capitaUS$ 54 678[6] (6.º)
PIB (nominal)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 17 416 trilhões *[6] (1.º)
 - Per capitaUS$ 54 678[6] (9.º)
IDH (2015)0,920 (10.º) – muito elevado[7]
Gini (2011)47,7[8]
Moedadólar americano (USD)
Fuso horário(UTC-5 a -10)
Cód. ISOUSA
Cód. Internet.us, .gov, .mil
Cód. telef.+1
Website governamentalwww.usa.gov

Mapa de Estados Unidos da América

Os Estados Unidos da América (em inglês: United States of America; pronunciado: [juːˈnaɪ.təd ˈsteɪʦ əv əˈmɛ.ɻɪ.kə]), ou simplesmente Estados Unidos (Loudspeaker.svg? United States), são uma república constitucional federal composta por 50 estados e um distrito federal. A maior parte do país situa-se na região central da América do Norte, formada por 48 estados e Washington, D.C., o distrito federal da capital. Banhado pelos oceanos Pacífico e Atlântico, faz fronteira com o Canadá ao norte e com o México ao sul. O estado do Alasca está no noroeste do continente, fazendo fronteira com o Canadá no leste e com a Rússia a oeste, através do estreito de Bering. O estado do Havaí é um arquipélago no Pacífico Central. O país também possui vários outros territórios no Caribe e no Oceano Pacífico. Com 9,37 milhões de km² de área e uma população de mais de 300 milhões de habitantes, o país é o quarto maior em área total, o quinto maior em área contígua e o terceiro em população. Os Estados Unidos são uma das nações mais multiculturais e etnicamente diversas do mundo, produto da forte imigração vinda de muitos países.[9] Sua geografia e sistemas climáticos também são extremamente diversificados, com desertos, planícies, florestas e montanhas que abrigam uma grande variedade de espécies.

Os paleoindígenas que migraram da Ásia há quinze mil anos, habitam o que é hoje o território dos Estados Unidos até os dias atuais. Esta população nativa foi muito reduzida após o contato com os europeus devido a doenças e guerras. Os Estados Unidos foram fundados pelas treze colônias do Império Britânico localizadas ao longo da sua costa atlântica. Em 4 de julho de 1776, foi emitida a Declaração de Independência, que proclamou o seu direito à autodeterminação e a criação de uma união cooperativa. Os estados rebeldes derrotaram a Grã-Bretanha na Guerra Revolucionária Americana, a primeira guerra colonial bem sucedida da Idade Contemporânea.[10] A Convenção de Filadélfia aprovou a atual Constituição dos Estados Unidos em 17 de setembro de 1787; sua ratificação no ano seguinte tornou os estados parte de uma única república com um forte governo central. A Carta dos Direitos, composta por dez emendas constitucionais que garantem vários direitos civis e liberdades fundamentais, foi ratificada em 1791.

Guiados pela doutrina do destino manifesto, os Estados Unidos embarcaram em uma vigorosa expansão territorial pela América do Norte durante o século XIX[11] que resultou no deslocamento de tribos indígenas, aquisição de territórios e na anexação de novos Estados.[11] Os conflitos entre o sul agrário e o norte industrializado do país sobre os direitos dos estados e a expansão da instituição da escravatura provocaram a Guerra de Secessão, que decorreu entre 1861 e 1865. A vitória do Norte impediu a separação do país e levou ao fim da escravatura nos Estados Unidos. No final do século XIX, sua economia tornou-se a maior do mundo e o país expandiu-se para o Pacífico.[12] A Guerra Hispano-Americana e a Primeira Guerra Mundial confirmaram o estatuto do país como uma potência militar. A nação emergiu da Segunda Guerra Mundial como o primeiro país com armas nucleares e como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O fim da Guerra Fria e a dissolução da União Soviética deixaram-no como a única superpotência restante.

Os Estados Unidos são um país desenvolvido e formam a maior economia nacional do mundo, com um produto interno bruto que em 2012 foi de 15,6 trilhões * de dólares, equivalente a 19% do PIB mundial por paridade do poder de compra (PPC) de 2011.[13][nota 2] Sua renda per capita era a sexta maior do mundo em 2010, no entanto o país é o mais desigual dos membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), conforme calculado pelo Banco Mundial.[14] Sua economia é alimentada pela abundância de recursos naturais, por uma infraestrutura bem desenvolvida e pela alta produtividade; e, apesar de ser considerado uma economia pós-industrial, o país continua a ser um dos maiores fabricantes do mundo.[15] Os Estados Unidos respondem por 39% dos gastos militares do planeta[16] e são um forte líder econômico, político e cultural.[17]

Etimologia

Em 1510, o cartógrafo alemão Martin Waldseemüller elaborou um planisfério, onde denominou as terras do hemisfério ocidental de "América", em honra ao cartógrafo italiano Américo Vespúcio.[18] As antigas colônias britânicas usaram pela primeira vez o nome do país moderno na Declaração de Independência — "unânime declaração de independência dos Estados Unidos da América", adotada pelos "representantes dos Estados Unidos da América", em 4 de julho de 1776.[19] Seu nome atual foi formalmente adotado em 15 de novembro de 1777, quando o Segundo Congresso Continental aprovou os Artigos da Confederação, que estipulavam "O nome desta confederação será Estados Unidos da América".[20] A forma "Estados Unidos" também é padronizada; outra forma comum é EUA. "Colúmbia", derivado do nome de Cristóvão Colombo, em tempos um nome popular para os Estados Unidos, ainda permanece no nome distrito de Colúmbia.[21][22] Ocasionalmente o país é referido de forma incorreta como Estados Unidos da América do Norte.[23] Na escrita, também é comum o uso das abreviaturas EUA, US ou USA.[24]

As formas padrão para se referir a um cidadão dos Estados Unidos são "americano" (mais usual), estadunidense (ou estado-unidense)[2][25] ou "norte-americano".[26] Também é utilizado o adjetivo "ianque" (do inglês yankee).[1][27] Originalmente e em sentido estrito, yankee é um habitantes da região de Nova Inglaterra, mas o uso generalizou-se, passando a designar todos os nativos dos estados do Norte; pode ainda designar especificamente os soldados nortistas durante a Guerra da Secessão ou, mais genericamente, qualquer nativo dos Estados Unidos.[28]