Espectro político

Gráfico de espectro político de dois eixos com um eixo socioeconômico horizontal e um eixo sócio-cultural vertical e ideologicamente representativo - um exemplo para um modelo freqüentemente usado do espectro político[1][2][3][4][5]

Um espectro político é um sistema para caracterizar e classificar diferentes posições políticas em relação umas às outras sobre um ou mais eixos geométricos que representam as dimensões políticas independentes.[1]

A maioria dos espectros de longa data inclui o a dimensão esquerda-direita, que originalmente se referia a arranjos dos assentos no parlamento francês após a Revolução Francesa (1789-1799), com radicais sentados à esquerda e os aristocratas sentados à direita.[1][6] Enquanto o comunismo e o socialismo são geralmente considerados internacionalmente como estando à esquerda, o conservadorismo e o fascismo são considerados internacionalmente como estando à direita.[1] O liberalismo pode significar coisas diferentes em diferentes contextos: às vezes à esquerda (liberalismo social), às vezes à direita (liberalismo clássico). Aqueles com uma visão intermediária são às vezes classificados como centristas. Dito isso, liberais e neoliberais são freqüentemente chamados de centristas também. A política que rejeita o espectro esquerda-direita convencional é frequentemente conhecida como política sincrética,[7][8] embora o rótulo tenda a caracterizar incorretamente as posições que têm uma localização lógica em um espectro de dois eixos, porque parecem aleatoriamente reunidas em um espectro de um eixo da esquerda para a direita.

A ciência política e os cientistas políticos têm notado freqüentemente que um único eixo esquerdo-direito é simplista demais e insuficiente para descrever a variação existente nas crenças políticas e por isso inclui outros eixos.[1][3] Embora as palavras descritivas nos pólos opostos possam variar, os eixos dos espectros biaxiais populares são geralmente divididos entre questões econômicas (em uma dimensão esquerda-direita) e questões socioculturais (em uma dimensão autoridade-liberdade).[1][2]

Histórico

O primeiro modelo de espectro político coloca as diversas vertentes ao longo de um eixo cujos extremos são esquerda e direita. Esta distinção surgiu originalmente no Antigo regime do parlamento francês no século XVIII, onde os parlamentares alinhados com certas correntes políticas sentavam-se à esquerda ou à direita no plenário.[9]