Engenharia militar

Engenharia militar é o ramo da engenharia que dá apoio às atividades de combate dos exércitos dentro do sistema MCP (Mobilidade, Contramobilidade e Proteção) construindo pontes, campos minados, estradas, etc. se encarregando da destruição dessas mesmas facilidades do inimigo e aumentando o poder defensivo por meio de construção ou melhoramento de estruturas de defesa. Além de suas missões clássicas de apoio ao combate em situação de guerra, atua em época de paz como pioneira ou colaboradora na solução de problemas de infra-estrutura do desenvolvimento nacional.

Os engenheiros militares que têm por missão atuar em situações de combate são designados Sapadores ou Engenheiros de Combate

Planos das fortificações de Setúbal no século XVIII.
Fortificação na Dinamarca do tempo da Segunda Guerra Mundial.
Veículo blindado lança pontes preparando a transposição de uma vala.
Soldados do Exército dos EUA numa operação de remoção de minas terrestres.

Origens da engenharia militar

A primeira civilização a ter uma força especialmente dedicada à Engenharia Militar foi talvez a Romana. As legiões romanas tinham um corpo de engenheiros conhecidos por architecti. A Engenharia Militar Romana tornou-se proeminente entre as suas contemporâneas e a escala de certos dos seus feitos, tais como a construção de fortificações com comprimentos superiores a 60 km em apenas algumas semanas.