El Salvador
English: El Salvador

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja El Salvador (desambiguação).
República de El Salvador
Bandeira de El Salvador
Brasão de armas de El Salvador
BandeiraBrasão de armas
Lema: Dios, Unión, Libertad
("Deus, União, Liberdade")525]
("Hino Nacional de El Salvador")
Gentílico: salvadorenho(a)

Localização República de El Salvador

Capital89° 10' O
Cidade mais populosaSan Salvador
Língua oficialEspanhol
GovernoRepública presidencialista
 - PresidenteNayib Bukele
 - Vice-presidenteFélix Ulloa
Independênciada Espanha 
 - Data15 de setembro de 1821 
Área 
 - Total21.041 km² (148.º)
 - Água (%)1,4
 FronteiraHonduras (N e E), e Guatemala (W)
População 
 - Estimativa para 20166,344,722[1] hab. (99.º)
 - Densidade298 hab./km² (22.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2017
 - TotalUS$ 28,986 bilhões[2] (85.º)
 - Per capitaUS$ 4,776 (95.º)
IDH (2017)0,674 (121.º) – médio[3]
Gini (2002)52,4[4]
MoedaDólar americano1 (USD)
Fuso horário(UTC-6)
 - Verão (DST)não observado (UTC-6)
ClimaTropical
Org. internacionaisONU, OMC, OEA, AEC, OEI, Grupo do Rio, União Latina, Conferência Ibero-Americana
Cód. ISOSLV
Cód. Internet.sv
Cód. telef.+503
Website governamentalhttp://www.presidencia.gob.sv/

Mapa República de El Salvador

1 Desde 2001.

El Salvador (pronunciado em português europeu[ɛɫ saɫvɐˈdoɾ]; pronunciado em português brasileiro[ɛw sawvaˈdoʁ]; pronunciado em castelhano[el salβaˈðoɾ]), ou, aportuguesando, Salvador,[5][6][7][8] oficialmente República do Salvador (em castelhano: República de El Salvador), é um país da América Central. Faz fronteira com o Oceano Pacífico, a sul, a Guatemala a oeste e Honduras para o norte e leste. Sua região oriental fica na costa do Golfo de Fonseca, em frente a Nicarágua. Sua população, de acordo com dados de 2014, era de 6 279 783 habitantes, sendo o país mais densamente povoado do subcontinente. Sua área territorial, de 21.040 km², faz deste o menor país da América Central continental. Sua capital e maior cidade é San Salvador (ou São Salvador).

O território de El Salvador compreende o que antes era a província de Sonsonate, o qual juntou-se ao município de San Salvador, formando a maior parte do território atual do país. Ambas as províncias ganharam a independência da Espanha, em 1821, pela Capitania-geral da Guatemala, e em 1824 se fundiram para formar o "Estado de El Salvador", como parte dos Estados Unidos da América Central. Em tempos pré-colombianos, houve um importante núcleo indígena conhecido como o Senhorio de Cuzcatlán, que significa "Lugar de joias ou colares", na língua nahuatl.[9]

A economia de El Salvador tem sido historicamente dominada pela agricultura, começando com a planta índigo, a mais importante durante o período colonial,[10] seguida pelo café, que no início do século XX representava 90% das receitas de exportação.[11][12] Desde então, El Salvador reduziu sua dependência do café e embarcou na diversificação da economia, abrindo laços comerciais e financeiros e expandindo o setor manufatureiro.[13] O colón, a moeda oficial de El Salvador desde 1892, foi substituída pelo dólar dos EUA em 2001.

Desde 2010, El Salvador ocupa o 12º lugar entre os países da América Latina em termos de Índice de Desenvolvimento Humano, além do quarto na América Central (atrás do Panamá, Costa Rica e Belize) devido em parte à rápida industrialização em curso. No entanto, o país continua a lutar contra altos índices de pobreza, desigualdade social e criminalidade, cerca de 1/6 da população tem insegurança alimentar (Ingere menos de 1200 calorias por dia) e passa fome.[14]

Etimologia

O nome oficial de El Salvador foi adotado na primeira constituição do país, promulgada em 12 de junho de 1824. Entretanto, a maneira de fazer-se contração da primeira palavra provocou a inscrição "República Del Salvador". Essa mesma constituição estipulava, ainda, que "O Estado se chamaria Estado del Salvador" (art. 7).[15]

Isso permaneceria até 7 de junho de 1915, quando por meio de um Decreto Legislativo, foi estabelecido definitivamente como nome oficial "El Salvador". Apesar do preceito, em documentos oficiais internacionais, continuava a prática de omitir a primeira parte do nome. Em 1958, por gestões do secretário de cultura Jorge Lardé y Larín, foi emitido outro Decreto Legislativo, com a data 23 de outubro, no qual adicionou-se ao texto de 1915 a proibição de suprimir a palavra El quando associada às palavras "República" ou "Estado". Também foi determinada a reserva do direito de contestar qualquer documento ou inscrever-se em qualquer acordo onde aparecesse escrito incorretamente o nome oficial da república.[15]