Desconstrução e religião

Parte de uma série da
História da teologia cristã
Bible.malmesbury.arp.jpg
Contexto

Quatro marcas da Igreja
Cristianismo primitivo · Cronologia
História do cristianismo
Teologia · Governo eclesiástico
Trinitarianismo · Não trinitarianismo
Escatologia · Cristologia · Mariologia
Cânon bíblico: Deuterocanônicos e Livros apócrifos

Visões teológicas da história

De Civitate Dei · Sucessão Apostólica
Landmarkismo · Dispensacionalismo·Restauracionismo

Credos

Credo dos Apóstolos · Credo niceno
Credo da Calcedônia · Credo de Atanásio

Patrística e Primeiros Concílios

Pais da Igreja · Agostinho
Niceia · Calcedônia · Éfeso

Desenvolvimento Pós-Niceno

Heresia · Lista de heresias
Monofisismo · Monotelismo
Iconoclastia · Gregório I · Alcuíno
Fócio · Cisma Oriente-Ocidente
Escolástica · Aquino · Anselmo
William de Ockham · Gregório Palamas

Reforma

Reforma protestante
Lutero · Melâncton · Calvino
95 Teses · Justificação · Predestinação
Sola fide · Indulgência · Arminianismo
Livro de Concórdia · Reforma Inglesa
Contrarreforma · Concílio de Trento

Desde a Reforma

Pietismo · Avivamento
John Wesley · Grande Despertamento
Movimento de Santidade
Movimento Vida Superior
Pentecostalismo
Neopentecostalismo
Existencialismo
Liberalismo · Modernismo · Pós-modernismo
Concílio Vaticano II · Teologia da Libertação
Ortodoxia radical · Jean-Luc Marion
Desconstrução e religião

P christianity.svg Portal do Cristianismo

O termo desconstrução-e-religião descreve um modo não teísta de pensamento que procede de uma teologia e de um quadro desconstrutivo. Em termos de teologia dogmática, desconstrução-e-religião varia do certamente ateu até o quase ateu.

Aqueles que têm uma abordagem desconstrutiva da religião se identificam de perto com o trabalho de Jacques Derrida, especialmente o seu trabalho mais posterior. De acordo com Slavoj Zizek, em meados da década de 80, a obra de Derrida mudou de constituir uma teologia negativa radical para ser uma forma de idealismo Kantiano.[1] John D. Caputo descreve o trabalho de Derrida na década 70 como um nietzscheano livre jogo de significantes, enquanto ele descreve o trabalho de Derrida na década de 90 como uma "religião sem religião."[2]

Indesconstrutibilidade

A Justiça por Luca Giordano

Uma característica fundamental do trabalho de Derrida é a noção de Indesconstrutibilidade. No pensamento de Derrida, a desconstrução existe no intervalo entre as construções e indesconstrutibilidades. O primeiro exemplar dessa relação é a relação entre a lei, a desconstrução e a justiça. Derrida resume a relação, dizendo que justiça é a condição indesconstrutível que torna a desconstrução possível.[3] No entanto, a justiça referida por Derrida é indeterminada e não um ideal transcendente.

A lei é feita de construções humanas necessárias, enquanto a justiça é o chamado indesconstrutível de fazer leis. A lei pertence ao reino do presente, do possível, e do calculável, enquanto que a justiça pertence ao reino do ausente, do impossível, e do incalculável. A desconstrução cria pontes entre o fosso da lei e da justiça, como a experiência da aplicação da lei de forma justa. A justiça exige que uma ocorrência singular seja respondida com uma novidade, unicamente costurada da lei. Assim, uma leitura desconstrutiva da lei é um salto do calculável para o incalculável.

Na desconstrução, a justiça assume a estrutura de uma promessa ausente, e impossibilidade que pode ser feita presente e possível. Na medida em que a desconstrução é motivada por essa promessa, ela escapa do binário tradicional presença/ausência porque a promessa não é nem presente nem ausente. Portanto, uma leitura desconstrutiva nunca definitivamente alcança a justiça. A justiça é sempre adiada.