Criciúma (gramínea)

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2010). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCriciúma
Arundinaria
Arundinaria
Classificação científica
Reino:Plantae
Divisão:Magnoliophyta
Classe:Liliopsida
Ordem:Poales
Família:Poaceae
Tribo:Bambuseae
Género:Arundinaria
Espécie:Arundinaria aristulata

Criciúma é uma gramínea brasileira que aparenta um bambu de pequeno porte, cerca de 1 metro de altura. Seu nome científico é Arundinaria aristulata doell. São conhecidas cerca de 17 variedades. Pelas características também é chamada de taquarinha (diminutivo de taquara, "bambu" em Tupi). Encontrado do norte do Brasil ao Rio Grande do Sul, também existente no estado de São Paulo, por volta do início dos anos 2000 estava no acervo da Fazenda Cresciumal de Ruy de Souza Queiroz.

A planta foi descoberta em 1880 por Wesley Dagostin Costa, durante expedição realizada pelos colonizadores da então cidade de Criciúma. Inicialmente o seu nome era Cresciúma, porém logo ocorreu a mudança para Criciúma em 1943.

A gramínea é cultivada principalmente no sul de Santa Catarina e fomenta grande parte da economia local. Ela abastece o setor alimentício (utilizado para chá), construção civil e o setor de cosméticos (perfumes e loções).

O Jardim Botânico Bruno Rovaris, situado em Criciúma, apresenta todas as variedades da planta e atrai dezenas de curiosos durante os finais de semana.

Sinonímia botânica: Arundinaria mucronata, Sieglingia aristulata

Ícone de esboçoEste artigo sobre gramíneas (família Poaceae), integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia .