Cossacos

Brasão tipicamente cossaco

Os Cossacos (russo: каза́ки, kazaki; ucraniano: коза́ки, kozaky; polaco: Kozacy) são um povo nativo das estepes das regiões do sudeste da Europa (principalmente da Ucrânia e do sul da Rússia), que se estabeleceram mais tarde nas regiões do interior da Rússia asiática. Os Cossacos são muito famosos pela sua coragem, bravura, força e capacidades militares (especialmente na cavalaria), mas também pela capacidade de auto-suficiência. A sua importância e força militar era tão grande, que mais tarde, durante a sua integração na Rússia, foi criada uma unidade militar de Cossacos. Originalmente, este povo ruteno era constituído por camponeses fugitivos, que escapavam ao controlo dos senhores da guerra dos feudos polaco e moscovita, rumando assim às estepes do sudeste europeu, onde se estabeleceram.

Conquista da Sibéria por Yermak, por Vasily Surikov.

Grupos diferentes de Cossacos são divididos e identificados com diferentes voisko, ou regiões geográficas. Os mais conhecidos são os da Sibéria, Baikal, Ural, Terek, Don e de Zaporozhian Sich. Os Cossacos ficaram imensamente conhecidos na Europa Ocidental nos meados do século XVII, em resultado da grande revolta de Bohdan Khmelnytsky e dos Zaporozhianos contra a República das Duas Nações no território que é hoje a Ucrânia, revolta essa que veio abalar as fundações da Europa de Leste, fazendo com que os Cossacos sejam mesmo considerados como os fundadores da Ucrânia.

A sua população cresceu muito durante o fim da Idade Média, devido à quantidade de camponeses que fugiram ao domínio dos senhores feudais e que se juntaram a este povo. Com o tempo, os Cossacos tornaram-se guardiões das terras que ocuparam e defensores das suas fronteiras, estabelecendo-se assim de vez numa região. Os Cossacos foram em especial destaque como guardiões da fronteira no Canato de Cazã. No século XIX, os Cossacos na Europa tornaram-se amplamente conhecidos pelas várias guerras travadas com a Rússia, contribuindo assim para a imagem estereotipada da Rússia daqueles tempos. Os Cossacos integraram o Exército Russo em várias guerras durante os séculos XVIII e XIX. Durante a Guerra Civil Russa, o povo cossaco não alinhou por nenhuma das facções. Os que desejaram, juntaram-se ao Exército Vermelho ou ao Exército Branco. O território de Don cossaco, foi um dos mais resistentes aos bolcheviques. Os regimentos militares cossacos foram no entanto reorganizados antes da Segunda Guerra Mundial.

Actualmente, na Rússia moderna, os Cossacos são vistos quer como um grupo étnico, quer como uma parte das forças armadas da Rússia. Nos últimos censos realizados neste país, a “categoria” cossaca foi separada do resto da população, tendo sido contabilizados para cima de 150 000 cossacos ao serviço das forças armadas russas, enquanto que o grupo étnico é constituído por vários milhões de descendentes dos guerreiros cossacos. A sua cultura foi proibida nos tempos da União Soviética, e houve mesmo uma tentativa falhada de erradicação desta cultura. Actualmente, esta etnia está a viver um período de forte revivalismo e reaparecimento da cultura cossaca, sendo que este movimento é mais forte no sul da Rússia.

Terminologia

O nome cossaco, entrou no português através do termo francês Cosaque, que por sua vez, derivou do termo polaco de origem ucraniana Kozak, em vez da versão russa Kazak. Esta palavra deriva de um termo social utilizado na língua turca, qazaq, que significa “aventureiro” ou “homem livre”. Este termo é pela primeira vez referido numa crónica rutena datada de 1395.