Corvo (Açores)

Corvo
Brasão de CorvoBandeira de Corvo
BrasãoBandeira
Flughafen Corvo.jpg
Aeroporto de Corvo
Localização de Corvo
GentílicoCorvense; Corvino
Área17,13 km2
População430 hab. (2011)
Densidade populacional25,1 hab./km2
N.º de freguesias0 (ver texto)
Presidente da
Câmara Municipal
José Silva (PS)
Fundação do município1832
Região AutónomaRegião Autónoma dos Açores
IlhaIlha do Corvo
Antigo DistritoHorta
OragoN. Sra. dos Milagres
Feriado municipal20 de Junho (Elevação a vila e município)
Código postal9980-024 Corvo
Site oficialwww.cm-corvo.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg
A ilha do Corvo vista do Miradouro do Caimbro, costa nordeste da ilha das Flores.
Um dos moinhos de vento tradicionais da ilha do Corvo (classificado como imóvel de interesse municipal).
Umas das ruas principais da Vila do Corvo.
O Porto da Casa, o cais comercial da ilha do Corvo.
A antiga fábrica de manteiga da extinta Cooperativa Agrícola Corvense.
A costa sueste do Corvo à descolagem da pista 12 do aeródromo do Corvo.
A Lagoa do Caldeirão alojada na cratera vulcânica.
Imagem obtida por satélite da ilha do Corvo (Landsat).
Ilha do Corvo e a parte norte da ilha das Flores. Foto tirada de bordo de um Space Shuttle da NASA.
Mapa da ilha do Corvo.

A ilha do Corvo é a menor das ilhas do Arquipélago dos Açores, localizando-se no Grupo Ocidental, sobre a Placa Norte-Americana, a norte da Ilha das Flores. A ela corresponde territorialmente o município de Vila do Corvo, o único dos concelhos da República Portuguesa que não tem qualquer freguesia, já que, nos termos do artigo 136.º do Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores, este nível de divisão territorial não existe na ilha.[1] As funções dos órgãos de freguesia são assumidos pelos correspondentes órgãos municipais.

Geografia

A ilha ocupa uma superfície total de 17,13 km², com 6,5 km de comprimento por 4 km de largura. Situa-se a 39º 40’ de latitude Norte e 31° 05’ de longitude Oeste. Se for considerada parte da América do Norte insular, devido ao facto de se situar sobre a Placa Norte-Americana, teria um dos pontos mais a Leste do continente americano.

Dista da ilha das Flores, de Santa Cruz das Flores 13 milhas e 10 milhas náuticas de Ponta Delgada (Santa Cruz das Flores). É formada por uma única montanha vulcânica extinta - o Monte Gordo, coroado com uma ampla cratera de abatimento chamada localmente de Caldeirão, com 3,7 km de perímetro e 300 metros de profundidade e onde se aloja a Lagoa do Caldeirão. Nela se podem observar várias lagoas, turfeiras e pequenas "ilhotas", duas compridas e cinco redondas. O ponto mais alto da ilha é o Estreitinho no rebordo sul do Caldeirão, com 720 metros de altura acima do nível médio do mar. Além desta elevação destacam-se ainda: o Morro dos Homens, a Lomba Redonda, a Coroa do Pico, o Morro da Fonte, o Espigãozinho e o Serrão Alto.

Todo o litoral é alto e escarpado, constituindo o cone central do vulcão, com excepção da parte Sul, onde numa fajã lávica se estabeleceu a Vila do Corvo, a única povoação da ilha. A escarpa oeste, com uma falésia quase vertical com cerca de 700 m de altura sobre o oceano, é uma das maiores elevações costeiras existentes no Atlântico.

As terras imediatamente em redor da única povoação da ilha e uma pequena zona abrigadas na costa leste (as Quintas e Fojo) são as únicas em que é possível praticar a agricultura e manter algumas árvores de fruto. As melhores pastagens para o gado ficam mais para norte, nas chamadas Terras Altas.

Na enseada sul, denominada Enseada de Nossa Senhora do Rosário, existem três cais de desembarque – o Porto Novo (não usado), o Porto do Boqueirão e o Porto da Casa, o maior e o único utilizado no tráfego comercial. O Portinho da Areia, no extremo oeste da pista do aeroporto, é o único areal da ilha e a sua principal zona balnear.

O clima é húmido, com 915,7 mm de precipitação média anual, mas ameno, embora ventoso, com temperatura média anual de 17,6 °C na Vila, com temperaturas médias mensais que variam entre os 14 °C em Fevereiro e 20 °C em Agosto. Nas zonas altas os nevoeiros são quase permanentes. A agitação marítima, particularmente do quadrante oeste, é muito elevada, resultando numa elevada erosão costeira.

A humidade relativa do ar oscila entre 74% em Outubro e 85% em Junho, o mês em que os nevoeiros são mais frequentes ("nevoeiros do São João").

Geologia

A ilha localiza-se sobre a placa tectónica norte americana, a oeste do rifte da Crista Média Atlântica (sigla CMA), edificada sobre fundo oceânico com cerca de 10 milhões de anos. As ilhas das Flores e do Corvo emergem do mesmo banco submarino, de orientação NNE-SSO. A sua tectónica é controlada por falhas orientadas aproximadamente Norte-Sul, paralelas à Crista Média Atlântica e por falhas transformantes com direcção Oeste-Este, que segmentam o vale do rifte. A ilha corresponde a um vulcão do tipo central, que começou a emergir há cerca de 730 mil anos. O colapso da cratera terá ocorrido há 430 mil anos. Antes da formação da cratera, estima-se que o cone central teria cerca de 1 000 metros de altitude.

Aliado à erosão marinha, a ilha enfrenta erosão provocada pelos ventos dominantes de nordeste e oeste. As vertentes do vulcão encontram-se parcialmente preservadas nos flancos Sul e Leste (com altitudes entre 150 a 250 metros), muito reduzidas pelo recuo das arribas litorais a norte e completamente ausentes a oeste (com altitudes entre 500 a 700 metros). O recuo das arribas já alcançou o bordo oeste da caldeira. Na vertente sul, sobressaem cones secundários – Coroínha, Morro da Fonte, Grotão da Castelhana e Coroa do Pico – que se encontram bem preservados da acção erosiva, responsáveis pelo derrames basálticos que formaram a fajã lávica (com altitudes entre 10 a 60 metros).

A extremidade noroeste da ilha constitui a Ponta Torrais, saliente e notável, em espinhaço aguçado e com cristas pontiagudas, tendo na sua face norte um pequeno ilhéu cónico, o ilhéu dos Torrais. Na costa norte e noroeste existe outro pequeno ilhéu, o Ilhéu do Torrão, e alguns recifes submersos perigosos para a navegação.