Conto
English: Short story

Uma história (do latim, compétus, conta) [1] é um conto criado por um ou vários autores, baseado em fatos reais ou fictícios, cujo enredo é estrelado por um pequeno grupo de personagens e com um enredo relativamente simples.

A história é compartilhada oralmente e por escrito; embora inicialmente, o mais comum fosse pela tradição oral. Além disso, você pode explicar fatos reais ou fantásticos, mas sempre partindo da base de ser um ato de ficção, ou misturando ficção com eventos reais e personagens reais. Geralmente contém vários personagens que participam de uma única ação central, e há aqueles que acreditam que um final chocante é um requisito indispensável desse gênero. Seu objetivo é despertar uma reação emocional chocante no leitor. Embora possa ser escrito em verso, total ou parcialmente, é geralmente prosa. Isso é feito através da intervenção de um narrador, e com preponderância da narração sobre o monólogo, o diálogo ou a descrição.

Terminologia

De acordo com Anatol Rosenfeld, no Brasil, costuma-se chamar de conto "todas as formas prosaicas curtas do gênero épico", por oposição à novela e ao romance - os quais, em inglês, são chamados de novella e novel, respectivamente.[1]

O mesmo autor afirma que, em outros países, o conto pode corresponder a várias outras formas, segundo a distinção feita por alemães :[1]

  • a Erzählung (narrativa, tale em inglês), que, não dependendo de um "acontecimento central", é uma forma mais livre e mais rica de fabulação e fantasia do que a novela, mas de menos densidade e rigor arquitetônico que as short stories; ex., As Mil e Uma Noites, Contos da Cantuária de Geoffrey Chaucer;
  • a Kurzgeschichte (short story em inglês), caracterizada pelo rigor de sua construção e a "unidade de efeito"; ex., contos de Edgar Allan Poe (no entanto, este autor ainda usava o termo tale, mais antigo, em vez de short story), Jack London, Mark Twain, Hemingway, Faulkner, Fitzgerald; alguns autores, como J. Klein, chegam a considerar a Kurzgeschichte como uma forma derivada da novela alemã (representada, em especial, por E. T. A. Hoffmann);[2]
  • a Novellette;
  • a Kalendargeschichte (história de folhinha), forma curta, singela, de caráter didático, escrita para folhinhas populares; ex., contos de J. P. Hebel, Bertolt Brecht;
  • a Anekdote (anedota); ex., contos de H. Kleist;
  • a Skizze (esboço, sketch em inglês), que apresenta geralmente uma cena impressionista, sem nítida linha narrativa, mas com "atmosfera";
  • outros tipos distinguidos principalmente pelo tema, como o conto de fadas.