Constantino

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Constantino (desambiguação).
Constantino I
Imperador romano
0 Constantinus I - Palazzo dei Conservatori (2).JPG
Fragmento de uma estátua monumental de Constantino, que combinava partes em mármore com outras em bronze, representando-o sentado e vestido de couraça. Erguida na chamada Basílica de Constantino, em Roma, foi projetada por Magêncio e completada por Constantino; atualmente está nos Museus Capitolinos.
Reinado25 de julho de 30629 de outubro de 312 (aclamado como Augusto no Ocidente, oficialmente nomeado César por Galério com Severo como Augusto, por acordo com Maximiano, recusou a relegação a César em 309)
29 de outubro de 312 — 19 de setembro de 324 (Augusto do Ocidente em disputa, principal Augusto no Império)
19 de setembro de 324 — 22 de maio de 337 (imperador do império unificado)[1]
ConsorteMinervina, dissolvido por morte ou divórcio antes de 307,
Fausta
Antecessor(a)Constâncio Cloro
Sucessor(a)Constantino II
Constâncio II
Constante I
DinastiaConstantiniana
Nascimento27 de fevereiro de 272[2]
 Naísso (moderna Niš, Sérvia)
Morte22 de maio de 337 (65 anos)
 Nicomédia (atual Izmit, Turquia)
EnterroIgreja dos Santos Apóstolos, Constantinopla
Filho(s)Com Minervina:
Crispo
Com Fausta:
Constantina
Constantino II
Constâncio II
Constante
Helena
Fausta
PaiConstâncio Cloro
MãeHelena

Constantino I, também conhecido como Constantino Magno ou Constantino, o Grande (em latim: Flavius Valerius Constantinus; Naísso, 27222 de maio de 337), foi um imperador romano, proclamado Augusto pelas suas tropas em 25 de julho de 306, que governou uma porção crescente do Império Romano até a sua morte.

Constantino derrotou os imperadores Magêncio e Licínio durante as guerras civis. Ele também lutou com sucesso contra os francos e alamanos, os visigodos e os sármatas durante boa parte de seu reinado, mesmo depois da reconquista da Dácia, que havia sido abandonada durante o século anterior. Constantino construiu uma nova residência imperial em Bizâncio, chamando-a de Nova Roma. No entanto, em honra de Constantino, as pessoas chamavam-na de Constantinopla, que viria a ser a capital do Império Romano do Oriente durante mais de mil anos. Devido a isso, ele é considerado como um dos fundadores do Império Romano do Oriente.

Fontes

Constantino era um governante de grande importância histórica e sempre foi uma figura controversa[3]. As flutuações na reputação de Constantino refletem a natureza das fontes antigas de seu reinado. Estas são abundantes e detalhadas[4], mas foram fortemente influenciadas pela propaganda oficial do período[5], e são muitas vezes unilaterais[6]. Não há histórias de sobreviventes ou biografias que lidaram com a vida de Constantino e do Estado[7]. Os mais próximos subsídios são a Vida de Constantino de Eusébio de Cesareia, uma obra que é uma mistura de elogio e hagiografia.[8] Escrito entre 335 e cerca de 339,[9] a Vita exalta virtudes morais e religiosas de Constantino[10]. A Vita cria uma imagem tendenciosamente positiva de Constantino[11], que os historiadores modernos vêm frequentemente contestando a sua fiabilidade[12]. A mais completa vita secular de Constantino é do anónimo Origo Constantini[13]. Uma obra de data incerta[14], o Origo concentra-se em acontecimentos militares e políticos, em detrimento de assuntos culturais e religiosos.[15]