Consenso

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Acordo, Combinação, Concordância ou Pacto. Para o uso do termo no âmbito da Wikipédia, veja Wikipédia:Consenso.
O consenso se estabelece quando duas ou mais partes chegam a um ponto comum de decisão durante uma negociação

Consenso é um conceito que descreve um tipo de acordo produzido por consentimento entre todos os membros de um grupo ou entre vários grupos.[1] A "falta de consenso" é o dissenso.[2]

O consenso se diferencia de una maioria, pois neste caso, há também uma minoria que discorda, enquanto no consenso, por definição, não há discordâncias.

Uma decisão por consenso, não obstante, não implica um consentimento ativo de cada um, mas apenas uma aceitação no sentido de não-negação. Este tipo de modalidade de decisão encontrou seu fundamento na democracia grega.

Consenso social

Ver artigo principal: Consenso social

Há também interpretações do termo para se referir a um consenso como formando sociedades (em oposição a conflitualistas que encontram na Hobbes a explicação mais geral de suas interpretações da existência da sociedade), falando da natureza humana tendendo a uma maior ou menor grau conjuntos iguais de crenças, com diferentes argumentos e elementos teóricos em cada caso.

Alguns autores relevantes relacionados a uma visão consensual da sociedade são Émile Durkheim e Talcott Parsons.

Ao contrário do consenso, uma decisão por votação tende a reforçar a opinião de uma única parte

Walter Lippman cunhou o termo manufacture of consent (1922), subsequentemente traduzido como consenso fabricado no título livro Noam Chomsky e Edward S. Herman.