Compilador

Disambig grey.svg Nota: Compilação redireciona para este artigo. Se procura por compilação musical, veja Coletânea musical.
Uma captura de tela do compilador GCC versão 4.0.2 rodando em uma janela xterm. Um programa simples está sendo compilado e então executado.

Um compilador é um programa de computador (ou um grupo de programas) que, a partir de um código fonte escrito em uma linguagem compilada, cria um programa semanticamente equivalente, porém escrito em outra linguagem, código objeto.[1] Classicamente, um compilador traduz um programa de uma linguagem textual facilmente entendida por um ser humano para uma linguagem de máquina, específica para um processador e sistema operacional. Atualmente, porém, são comuns compiladores que geram código para uma máquina virtual que é, depois, interpretada por um interpretador. Ele é chamado compilador por razões históricas; nos primeiros anos da programação automática, existiam programas que percorriam bibliotecas de sub-rotinas e as reunia, ou compilava,[Nota 1] as subrotinas necessárias para executar uma determinada tarefa.[2][3]

O nome "compilador" é usado principalmente para os programas que traduzem o código fonte de uma linguagem de programação de alto nível para uma linguagem de programação de baixo nível (por exemplo, Assembly ou código de máquina). Contudo alguns autores citam exemplos de compiladores que traduzem para linguagens de alto nível como C.[4] Para alguns autores um programa que faz uma tradução entre linguagens de alto nível é normalmente chamado um tradutor, filtro[5] ou conversor de linguagem. Um programa que traduz uma linguagem de programação de baixo nível para uma linguagem de programação de alto nível é um descompilador.[6] Um programa que faz uma tradução entre uma linguagem de montagem e o código de máquina é denominado montador (assembler).[5] Um programa que faz uma tradução entre o código de máquina e uma linguagem de montagem é denominado desmontador (disassembler).[6] Se o programa compilado pode ser executado em um computador cuja CPU ou sistema operacional é diferente daquele em que o compilador é executado, o compilador é conhecido como um compilador cruzado.[7]

História

Os softwares para os primeiros computadores foram escritos principalmente em linguagem assembly por muitos anos. As linguagens de alto nível de programação não foram inventadas até que os benefícios de ser capaz de reutilizar software em diferentes tipos de CPUs passassem a ser significativamente maiores do que o custo de se escrever um compilador. A capacidade de memória muito limitada dos primeiros computadores também criava muitos problemas técnicos na implementação de um compilador.

No final da década de 1950, as linguagens de programação independentes de máquina foram propostas. Posteriormente, vários compiladores experimentais foram desenvolvidos. O primeiro compilador foi escrito por Grace Hopper,[8] em 1952, para a linguagem de programação A-0.[9] Antes de 1957, foram desenvolvidos esforços e várias contribuições ao desenvolvimento de linguagens de alto nível foram feitas. Entre estes, o desenvolvimento da Short Code (UNIVAC), Speedcoding no IBM 701,[10][11] o Whirlwind, o BACAIC e o PRINT.[12] A equipe de desenvolvimento do FORTRAN liderada por John Backus na IBM é geralmente creditada como tendo introduzido o primeiro compilador completo em 1957 (embora tenha ocorrido simultaneamente o desenvolvimento do algebraic translator de Laning e Zierler[9]). O COBOL é um exemplo de uma linguagem da primeira geração que compilava em múltiplas arquiteturas, em 1960.[13]

Em muitos domínios de aplicação a ideia de usar uma linguagem de alto nível rapidamente ganhou força. Por causa da funcionalidade de expansão apoiada por linguagens de programação recentes e a complexidade crescente de arquiteturas de computadores, os compiladores tornaram-se mais e mais complexos.

Os primeiros compiladores foram escritos em linguagem assembly. O primeiro compilador de auto-hospedagem - capaz de compilar seu próprio código-fonte em uma linguagem de alto nível - foi criado para o Lisp por Tim Hart e Levin Mike no MIT em 1962.[14]