Commodity
English: Commodity

Finanças

Mercado Financeiro
Ações
ETFs
Títulos e Obrigações
Corretoras de Valores
Forex
Derivativos
Commodity
Debênture
Direitos de subscrição
Certificado de depósito bancário
Comissão de Valores Mobiliários
Classificação de crédito

Imóveis

Sistema Bancário
Banco Central do Brasil
Lista de bancos do Brasil
Depósito
Empréstimo

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Bem (economia), ou Mercadoria, ou Produto (marketing).

Commodity ou, em português, comódite,[1][2][3][4] corresponde a produtos de qualidade e características uniformes, que não são diferenciados de acordo com quem os produziu ou de sua origem, sendo seu preço uniformemente determinado pela oferta e procura internacional.[3][5] Originalmente, o termo proveniente da língua inglesa (plural em inglês: "commodities"; em português, comódites)[3][5] significava qualquer mercadoria, mas passou a ser utilizado nas transações comerciais de produtos de origem primária na bolsa de valores.

O termo é usado sobretudo com referência aos produtos de base em estado bruto (matérias-primas) ou com pequeno grau de industrialização, de qualidade quase uniforme, produzidos em grandes quantidades e por diferentes produtores. Estes produtos "in natura", cultivados ou de extração mineral, podem ser estocados por determinado período sem perda significativa de qualidade, dependendo de sua conservação. Possuem cotação e negociabilidade globais, utilizando bolsas de mercadorias.

Conceitos

As commodities[4][5] são usadas na compra e venda de mercadorias fungíveis, como por exemplo o petróleo, a resma de papel, leite, cobre e outros tipos de metais, madeira (derivada de desmatamento ou não) e plantas (para usos medicinais).

Outros exemplos:

  • O preço do cobre é universal. As flutuações de preço diárias são baseadas na oferta e na procura global.
  • Já num sistema de som, existe uma diferenciação de produto em muitos aspectos, tais como a marca, a interface do utilizador, a qualidade aparente etc. Desta forma, quanto maior foi o seu valor aparente, maior será o seu preço.

Uma das características das commodities é que o seu preço é determinado como uma função do seu mercado no todo. As mercadorias físicas são ativamente transacionadas no mercado à vista (spot market) e no mercado de derivativos. Em geral, são matérias-primas e produtos agrícolas tais como minério de ferro, petróleo, carvão, sal, açúcar, café, soja, alumínio, cobre, arroz, trigo, ouro, prata, paládio e platina. Mercadorias agrícolas (soft commodities) são bens que são cultivados, enquanto que a mercadorias pesadas (hard commodities) são bens que são extraídos ou minerados.

O que torna os produtos de base muito importantes na economia é o fato de que possuem cotação e "negociabilidade" globais; portanto, as oscilações nas cotações destes produtos de base têm impacto significativo nos fluxos financeiros mundiais, podendo causar perdas a agentes econômicos e até mesmo a países. O mercado de derivativos surgiu como uma proteção aos agentes econômicos contra perdas provocadas pela volatilidade nas cotações dos produtos de base.

Existe também uma outra classe de commodities energéticas que incluem a eletricidade, o gás, o carvão e o petróleo.

A eletricidade tem a característica particular de não ser armazenável, seja por razões técnicas ou de viabilidade econômica, pelo que tem de ser consumida de imediato.

Grãos de soja

A passagem à qualidade de commodities (comoditização) ocorre quando o mercado de bens ou serviços deixa de fazer a diferenciação de produto na sua base de fornecimento, na maioria das vezes por causa do desaparecimento do ônus do capital intelectual (patentes etc.) que era necessário para o adquirir ou produzir de forma eficaz. Assim, produtos transformam-se em mercadorias quando o seu preço base deixa de ser onerado com a aplicação de um prêmio (premium) para os detentores desse capital, como no caso dos medicamentos genéricos da indústria farmacêutica ou dos circuitos integrados (chips).