Clube de Regatas Brasil

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo (desde julho de 2019).
Disambig grey.svg Nota: "CRB" redireciona para este artigo. Para o órgão que regulamenta a profissão de bibliotecário no Brasil, veja Conselho Regional de Biblioteconomia. Para o partido político brasileiro extinto da República Velha, veja Concentração Republicana da Bahia.
CRB
CRB logo.svg
NomeClube de Regatas Brasil
AlcunhasGalo
Galo da Praia/Pajuçara[1]
O Mais Querido
O Rei dos Clássicos (Clássico das Multidões)
Esquadrão de Aço (1937–1940)
Campeão dos Centenários (20122013)
Torcedor/AdeptoRegatiano
Alvirrubro
MascoteGalo de Campina[2]
Principal rivalCSA
ASA
Coruripe
Fundação20 de setembro de 1912 (106 anos)[3]
EstádioRei Pelé
Capacidade17 126[4]
LocalizaçãoMaceió, Brasil
PresidenteMarcos Barbosa[5]
TreinadorMarcelo Chamusca
PatrocinadorCaixa Econômica Federal[6]
EMS
Prefeitura de Maceió
Material (d)esportivoRegatas (marca própria)
CompetiçãoCopa do Nordeste
Alagoano - Série A
Copa do Brasil
Brasileirão - Série B
Ranking nacionalAumento 36.º lugar, 3 991 pontos[7]
WebsiteCRB.esp.br
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Clube de Regatas Brasil, mais conhecido como CRB, é um clube poliesportivo brasileiro da cidade de Maceió, Alagoas, fundado em 20 de setembro de 1912. Por ter sido fundado no bairro litorâneo da Pajuçara e de ter como seu mascote o Galo de Campina, o CRB é conhecido em Alagoas como Galo da Praia. Em todas as pesquisas já realizadas, a torcida do CRB está entre as maiores de Alagoas.[8][9] Sua sede administrativa é localizada no bairro de Jaraguá[10] e seu novo CT (Centro de Treinamento), na cidade litorânea de Barra de São Miguel[11].

Apesar de o futebol ser sua principal atividade, o CRB também se destaca na prática do vôlei, com hegemonia absoluta nos cenários feminino, masculinos, tendo conquistando o maior feito em 1969, ao sagrar-se campeão sul-americano feminino em Santiago, no Chile.[12] O clube ainda possui títulos em outros esportes, como basquete, futsal, handebol, entre outras modalidades esportivas.

O Clube de Regatas Brasil foi o primeiro campeão alagoano em 1927[13] e o primeiro a comemorar um título no ano de inauguração do estádio Rei Pelé. O CRB disputou pela primeira vez o Campeonato Brasileiro em 1962 e foi o primeiro clube alagoano a disputar a segunda divisão do certame em 1971. Foi também o primeiro clube alagoano a conquistar um tetracampeonato estadual (entre os anos 1937 e 1940). O clube possui o maior artilheiro da história dos campeonatos alagoanos: Joãozinho Paulista, que vestiu a camisa alvirrubra nos anos 80 e marcou 160 gols pelo Galo. O recorde de gols em um único campeonato também pertence ao CRB: em 1995, Inha marcou 37 gols pelo clube na competição.

História

Lafaiete Pacheco, um dos fundadores do Clube de Regatas Brasil

Em 1911, fundou-se em Maceió, o Clube Alagoano de Regatas. Sua sede ficava situada na Rua do Comércio, 138. Apesar do nome, não havia remadores nem baleeiros na nova agremiação. A mensalidade era de quinhentos mil réis e gerava pouca receita. Entre os seus fundadores estavam os jovens Lafaiete Pacheco, Antônio Bessa, Celso Coelho e Alexandre Nobre. O primeiro procurou junto aos companheiros um aumento nas mensalidades, mas a ideia não foi aceita pela maioria.

Lafaiete Pacheco então procurou Antônio Vianna e explicou-lhe sua ideia de criar um clube de regatas na Pajuçara. Aceita a ideia, foram convidados outros sete rapazes para fundar um novo clube em Alagoas.

Na Rua Jasmim, na Pajuçara, no dia 20 de setembro de 1912, foi fundado o Clube de Regatas Brasil com o lema: Esporte pela Pátria Forte. Além de Lafaiete Pacheco e Antônio Vianna, assinaram a ata de fundação os seguintes desportistas: João Luiz Albuquerque, Waldomiro, Pedro Cláudio Duarte, Tenente Julião, Agostinho Monteiro, Francisco Azevedo Bahia e João Viana de Souza. Os primeiros passos do clube foram dados na regata,[14] aderindo ao futebol apenas em 1916.

Através de Lafaiete Pacheco, o CRB comprou, em Santos, seu primeiro yole (barco de competição). Duzentos mil réis foi o valor. Os sócios contribuíram com 100 mil réis e os outros 100 foram tomados emprestados. A embarcação chegou no navio Itapetinga. Era um barco bonito, moderno, um oito remos com patrão. Os treinamentos foram realizados no trajeto marítimo da Ponta Verde para Pajuçara.

Os dirigentes do Clube de Regatas Brasil tiveram que conseguir um local para a construção de uma garagem. O terreno encontrado é o mesmo onde hoje se situa a sede social do clube. O terreno era aberto e foi necessário que novamente os fundadores do clube conseguissem dinheiro para comprar tábuas, cujo gasto foi de 3 mil réis.

Os primeiros times de futebol do CRB contavam com Haroldo Zagalo, pai do tetracampeão mundial Mário Zagallo. O time ainda contava com um alemão, extremamente habilidoso chamado Peter, Lauro Bahia e os irmãos Gondim.

Em 1927, o CRB conquista a primeira edição do Campeonato Alagoano de Futebol tornando-se o primeiro clube campeão de Alagoas. O título veio com uma campanha invicta e uma vitória sorbe o arquirrival CSA por 2–0. Três anos mais tarde o clube repete o feito batendo mais uma vez o seu rival na final e conquistando seu 2° título estadual.

No final da década de 30, o Regatas alcança a hegemonia do estado conquistando seu inédito tetracampeonato estadual (37/38/39/40). O clube contava com um elenco forte que ficou conhecido como "Esquadrão de Aço" e aplicou a maior goleada da história do Clássico das Multidões com placar de 6–0 sobre o CSA no ano de 1939.

Após a conquista do seu primeiro tetra o clube passou dez anos na fila até voltar a ser campeão em 1950, conquistando o bicampeonato no ano seguinte.

Nos anos 70 o clube volta a conquistar um tetracampeonato entre 1976 e 1979 e também se tornou o primeiro clube alagoano a ser campeão interestadual após conquistar o Torneio José Américo de Almeida Filho de 1975 em que enfrentou equipes da Paraíba e Rio Grande do Norte, batendo o Botafogo da Paraíba na decisão em pleno Estádio Almeidão.

No começo da década de 90 o clube volta a formar um elenco bastante competitivo, que se sagraria bicampeão estadual em 92/93, campeão da Seletiva Para a Série B entre Alagoas e Paraíba e também foi vice-campeão da Copa do Nordeste de 1994. O histórico título do Campeonato Alagoano 1992 veio com uma excelente campanha invicta em 21 jogos disputados e uma goleada expressiva sobre o seu rival CSA por 5–2 na Pajuçara no jogo emblemático da entrega das faixas. No ano seguinte o clube volta a vencer o rival na decisão do Campeonato Alagoano e conquista o título com uma vitória por 3–1 no Estádio Rei Pelé, o famoso "Trapichão".

1994: Copa do Nordeste

A Copa do Nordeste de 1994 teve como sede a cidade de Maceió e naquele ano participaram 16 clubes, o Galo ficou no grupo C ao lado de Sport, Fortaleza e Vitória. Uma vitória, um empate e uma derrota, classificaram o CRB para a próxima fase da copa. Nas quartas de finais eliminou o Guarany de Sobral vencendo por 2–0. Na fase semifinal, um grande jogo e vitória por 3–2 sobre o surpreendente Cruzeiro de Arapiraca de Arapiraca. Em 15 de setembro de 1994 com o estádio Rei Pelé lotado, foi realizada a final entre CRB e Sport. No tempo normal a partida terminou empatada em 0–0, então o jogo foi decidido nos pênaltis. O Galo acabou amargando o vice campeonato perdendo em uma dramática disputa de pênaltis por 4–2, em pleno estádio Rei Pelé.

1995 - 2010

No ano de 1995 Inha se tornou o maior artilheiro de uma edição do Campeonato Alagoano, quando marcou 37 gols na campanha impecável do título regatiano.

Após esse título o clube volta a ser campeão apenas em 2002, ano em que bateu o CSA por 2–0 na última rodada do quadrangular final conquistando seu 25° título estadual. No mesmo ano o clube fez boa campanha na Copa do Nordeste em que conseguiu diversos resultados expressivos, mas não conseguiu se classificar para a fase de mata-mata da competição, terminando em 9° colocado (apenas os 8 primeiros colocados se classificariam para as quartas de final).

No ano seguinte rebaixou seu arquirrival para a Segunda Divisão Estadual com uma vitória marcante no clássico por 4–2 pela última rodada do Campeonato Alagoano 2003, em que o clube alcançaria a final, mas seria derrotado pelo ASA de Arapiraca com uma derrota em casa por 4–1 no jogo de ida e uma vitória por 2–1 no Municipal, que foi insuficiente para levar a decisão para os pênaltis.

Em 04 de fevereiro de 2004 o CRB enfrentou o Flamengo em partida válida pela primeira fase da Copa do Brasil. A partida aconteceu no Estádio Rei Pelé e terminou com um placar histórico de 4–4. O time do CRB teve muitos destaques naquela partida, mas com uma mistura de muita habilidade e vontade de mostrar serviço, o meia consagrado Felipe com duas assistências e o garoto Diogo que marcou três gols, o clube rubro negro foi salvo de tomar uma goleada em Maceió. No jogo da volta o clube alagoano não resistiu à enorme pressão imposta pela torcida adversária no Estádio Maracanã e acabou derrotado por 3–1, resultado que eliminou o Galo da competição.

Em 2005 o CRB escapa do rebaixamento inédito para a Terceira Divisão do Brasileiro com uma vitória emocionante de virada sobre o Criciúma em pleno Estádio Heriberto Hülse. A placar da partida foi 2–1 e os dois gols do CRB foram marcados nos oito minutos finais do jogo. Não bastasse tamanha emoção, o enredo desse jogo ficou ainda mais dramático quando o time do Criciúma acertou uma bola na trave regatiana aos 47 do segundo tempo. A vitória foi considerada um dos resultados mais marcantes da história do futebol alagoano, ficando conhecida como o Milagre de Criciúma.

No ano de 2007 o clube brigou pelo acesso à primeira divisão, terminando em 7° colocado na Série B com 53 pontos. Nesse ano o atacante Júnior Amorim foi um dos grandes destaques daquele campeonato, onde foi o vice-artilheiro com 16 gols marcados. No ano seguinte acabou rebaixado para a Terceira Divisão realizando uma péssima campanha em que venceu apenas 5 jogos em 38 disputados, sendo o último colocado da competição.

Em 2009 o CRB enfrentou novamente o CSA na última rodada do Campeonato Alagoano podendo rebaixar o rival caso vencesse o jogo. A partida foi disputada no Estádio Rei Pelé, em Maceió e ficou marcada pelo tumulto nas arquibancadas. Dentro de campo, o Galo conseguiu vencer o seu rival por 2–1, resultado que levou o CSA para a Segundona do ano seguinte. Os gols foram marcados por Calmon e Da Silva, ex-jogador do CSA. Mesmo com a vitória o CRB não se classificou para as semifinais do Estadual.

Na Série C de 2009, o CRB ficou no grupo B ao lado de ASA, Icasa, Salgueiro e Confiança. Logo na estreia o CRB perdeu o clássico para o ASA em pleno Rei Pelé por 1–0. Na sequência da primeira fase o CRB fez mais sete jogos, tendo conseguido apenas duas vitórias e sofrido cinco derrotas, somando apenas seis pontos. Com essa campanha decepcionante, o CRB terminou em quatro colocado no grupo, somente na frente do Confiança, tendo corrido risco de rebaixamento.

Em 2010 mais uma vez o Galo vai mal e fica de fora das semifinais do Campeonato Alagoano. Nesse mesmo ano o clube também participou da Copa do Nordeste, tendo feito uma campanha mediana, sem conseguir se classificar para o mata-mata.

Na Série C de 2010, o CRB faz outra campanha decepcionante e chega à última rodada correndo sério risco de rebaixamento. Com apenas oito pontos conquistados, o Galo teria de derrotar o ABC no Rei Pelé para conseguir escapar do rebaixamento. O problema era que o adversário era o clube com a melhor campanha na competição e já vinha de cinco partidas sem perder. Mesmo sabendo da desvantagem o CRB foi para cima já que a vitória significava a permanência do Galo na terceira divisão. O único gol do jogo foi marcado aos 23 minutos do segundo tempo por Luciano Dias. Após o gol o CRB sofreu pressão do ABC, mas conseguiu segurar o resultado que tirou o clube da lanterna do grupo e livrou o Galo do rebaixamento.

2011: Vice-Campeão Brasileiro Série C

No ano de 2011 o ilustre Marcos Barbosa assumiu a presidência do clube em um momento delicado, mas soube driblar a situação colocando as finanças em dia e rapidamente os resultados vieram dentro de campo com o CRB surpreendendo a todos ao se sagrar vice-campeão do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2011 - Série C.

Depois de fazer uma primeira fase conturbada em que conseguiu a classificação somente na última rodada o clube sobrou na segunda fase realizando uma ótima campanha em que se manteve invicto nos seis jogos que disputou contra Fortaleza, Paysandu e América de Natal.

Com 3 vitórias e 3 empates o Galo ficou em 1° colocado do grupo se classificando para disputar a final contra o Joinville, dono da melhor campanha do campeonato.

Apesar de possuir um bom time, o Galo não conseguiu resistir à forte equipe do Joinville perdendo os dois jogos da decisão, por 3–1 no Rei Pelé e 4–0 na Arena Joinville.

2012 - 2013: Campeão dos Centenários

Depois de uma década sem conseguir conquistar um único título, o clube volta a ser campeão conquistando o Campeonato Alagoano 2012, seu 26° título estadual em pleno ano de seu centenário.

O Galo fez uma ótima campanha no 1° Turno se sagrando campeão do mesmo em uma disputa de pênaltis contra o ASA após dois empates por 2–2.

No 2° Turno o Galo sofreu bastante e não conseguiu avançar sequer para as semifinais. No dia 05 de maio o clube conheceu seu adversário na decisão: o ASA, que bateu o CSA e conquistou o título do 2° Turno.

O CRB venceu o primeiro jogo da grande decisão por 2–1 no Rei Pelé e segurou o empate de 0–0 no segundo jogo.

No ano seguinte o CRB se torna bicampeão ao bater o CSA em pleno ano de centenário do rival. O Galo venceu seu arquirrival no primeiro jogo por 4–2 e perdeu na volta por 1–0, resultado que levou a decisão para os pênaltis. Na disputa de penalidades o CRB venceu por 4–3 com gol decisivo do artilheiro Schwenck.

2014: Acesso

Em 2014 o clube chegou à sua terceira final consecutiva do estadual, mas acabou sendo superado pela surpreendente equipe do Coruripe e amargou o vice. No mesmo ano o clube foi até as quartas de final da Copa do Nordeste quando acabou eliminado pelo América de Natal ao perder por 4–0 na Arena das Dunas, depois de haver vencido o jogo de ida por 2–0 no Rei Pelé. No Campeonato Brasileiro de Futebol de 2014 - Série C o Galo realiza outra boa campanha e volta a conquistar o acesso à Segunda Divisão após eliminar o Madureira pelas quartas de final com duas vitórias (2–1 e 2–0). O meia-atacante Clebinho foi um dos destaques da boa campanha do clube e marcou o gol que garantiu o acesso na vitória por 2–0 no Rei Pelé. Além dele o atacante Magrão e o volante Olívio foram os principais destaques do clube na competição. O CRB também fez história ao derrotar o São Paulo por 2–1 de virada no Rei Pelé em partida válida pela segunda fase da Copa do Brasil 2014, mas acabou eliminado com uma derrota por 3–0 no Estádio Morumbi.

2015: 28° título e Série B

Em 2015 o Galo conquista mais um título estadual em uma revanche contra o Coruripe. O clube empatou por 1–1 no jogo de ida com golaço de Clebinho no Gerson Amaral e venceu por 2–0 na volta.

Em seu retorno à Série B o clube fez uma campanha tranquila eliminando qualquer possibilidade de rebaixamento na 34° rodada sa competição, quando goleou o Atlético Goianiense no Rei Pelé por 4–1, com dois gols do artilheiro Zé Carlos. O clube encerrou a competição em 11° colocado realizando uma boa campanha, em que alcançou sua maior invencibilidade na Série B, ao passar 7 rodadas consecutivas sem sofrer nenhuma derrota. Além disso o atacante Zé Carlos foi p artilheiro do campeonato com 19 gols marcados.

Invencibilidade

No 2° Turno do Brasileiro Série B de 2015 o clube alcançou a sua maior invencibilidade na Série B até então. Foram 7 jogos, tendo vencido 4 e empatado três vezes.

2016: O Bicampeonato e briga pelo acesso

O ano de 2016 ficou conhecido como o ano da superação do CRB que conquistou o seu 29° título estadual e brigou pelo acesso sem ter um time considerado forte como no ano anterior.

O Galo não fez uma campanha impecável no Campeonato Alagoano e chegou desacreditado à final para enfrentar o rival, depois de haver perdido os dois últimos clássicos por 4–1 e 2–1. Mesmo assim o clube conseguiu superar o até então imbatível CSA e venceu o jogo de ida por 2–0, com gols do lateral-esquerdo Diego e do criticado Neto Baiano. Na volta o clube se segurou atrás com uma atuação impecável do goleiro Juliano que pegou todas as chances do time azulino e aos 44 minutos do segundo tempo o clube confirma o título com mais um gol marcado pelo centroavante Neto Baiano em jogada iniciada por Olívio, um dos grandes destaques dessa partida por haver exercido marcação perfeita sobre o principal destaque azulino, o atacante Luis Soares.

Na Copa do Nordeste o Galo mais uma vez mostrou força e superação conseguindo mais uma vez alcançar as quartas de finais, após ter sido o líder de seu grupo que tinha Coruripe, América de Natal e Estanciano. No jogo de ida o CRB derrotou o favorito Sport Recife por 2–1 no Rei Pelé, já no jogo de volta o clube estava mantendo o resultado de 0–0 até os 30 do segundo tempo, quando acabou cedendo gol que eliminou o clube da competição.

Na Série B o Galo voltou a surpreender e encerrou o 1° turno da competição como 3° colocado, atrás apenas de Vasco e Ceará, com 33 pontos conquistados. A paralisação para as Olimpíadas prejudicaram o bom desempenho da equipe que sofreu com a falta de entrosamento durante a maior parte do 2° turno em que acabou caindo de rendimento e não conseguiu conquistar o tão sonhado acesso para a Série A, terminando a competição em 7° colocado.

2017: Tricampeão alagoano

A temporada 2017 começou de maneira frustante para o CRB com a eliminação considerada como precoce na Copa do Brasil na primeira fase diante do Altos (2-0). Na Copa do Nordeste o clube iniciou sua campanha com 2 vitórias e 2 empates nas quatro primeiras rodadas. Para se classificar matematicamente para a próxima fase sem depender de outros resultados o clube precisava de 1 vitória e faria seus últimos dois jogos no Rei Pelé contra CSA e Itabaiana. Apesar do amplo favoritismo o Galo decepcionou e não conseguiu se classificar para as quartas de final, tendo perdido o clássico para o CSA e ficado apenas no empate em casa com o Itabaiana.

O começo ruim de temporada foi salvo pela conquista do tricampeonato alagoano em cima do arquirrival. O Clube de Regatas Brasil mostrou superioridade durante toda a competição, fazendo a melhor campanha e batendo o CSA nos dois jogos da decisão (1–0 e 3–2).

  • campanha do tri

PRIMEIRA FASE - CSE 1 – 1 CRB; CRB 4 – 0 Miguelense; CRB 2 – 0 Santa Rita; ASA 1 – 0 CRB; CRB 2 – 0 CSE; CSA 1 – 1 CRB; Miguelense 1 – 4 CRB; CRB 1 – 0 ASA; Santa Rita 0 – 0 CRB; CRB 0 – 0 CSA.

10 jogos, 5 vitórias, 4 empates e 1 derrota

SEGUNDA FASE - CRB 3 – 2 Murici; CRB 2 – 1 Santa Rita; CSA 0 – 0 CRB; CRB 2 – 1 ASA; CEO 1 – 3 CRB.

5 jogos, 4 vitórias e 1 empate (1° colocado)

SEMIFINAL - Murici 1 – 1 CRB; CRB 2 – 1 Murici.

FINAL - CRB 1 – 0 CSA; CSA 2 – 3 CRB.

  • maior sequência invicta (Série B)

Durante o Campeonato Brasileiro de Futebol de 2018 - Série B o CRB estabeleceu a sua maior sequência invicta na história da competição, superando os 7 jogos de 2015. Ao todo foram 8 partidas (5 vitórias e 3 empates).

Jogos: ABC 1 – 3 CRB; CRB 2 – 1 Paysandu; Náutico 0 – 1 CRB; Boa Esporte 0 – 0 CRB; CRB 2 – 1 Figueirense; CRB 2 – 0 Internacional; Juventude 1 – 1 CRB; CRB 1 – 1 Guarani.

Encerrou a temporada lutando contra o rebaixamento e terminou a Série B em 15° colocado com 45 pontos conquistados (12 vitórias, 9 empates e 17 derrotas).

2018: Decepção na final do Estadual e permanência na Série B

Fez sua melhor campanha na Copa do Brasil de Futebol, onde se classificou pela primeira vez em sua história para a Terceira Fase da competição, sendo eliminado pelo São Paulo, depois de passar por União Rondonópolis e Novo Hamburgo, respectivamente. Se classificou para as Quartas de Finais da Copa do Nordeste de Futebol de 2018 como 2° colocado em um grupo que tinha clubes como o Santa Cruz, Treze e o Confiança. Empatou com o Ceará no primeiro jogo das quartas de final num emocionante 3–3. Na partida de volta arrancou um empate sem gols no Castelão, resultado que favoreceu a equipe cearense pelo critério de gols marcados fora de casa.

No Campeonato Alagoano 2018 o CRB entrou com muita moral e era apontado como grande favorito para levar o título pelo quarto ano consecutivo. Durante a competição o clube mostrou sua supremacia vencendo seus dois maiores rivais (CSA e ASA) nos jogos da Primeira Fase e como consequência fez a melhor campanha na primeira fase com 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota. Na semifinal avançou com certa tranquilidade ao vencer os dois jogos contra o Coruripe (2–1 e 2–0) diferente do arquirrival CSA que precisou dos acréscimos para eliminar o ASA no Rei Pelé com gol marcado somente aos 51 minutos.

No primeiro jogo da decisão o Galo bateu seu rival por 1–0 com gol marcado por Neto Baiano logo aos 2 minutos de jogo. Apesar da atuação contestada o CRB apresentou eficiência no ataque e sua marca registrada nos últimos anos de supremacia no estado: uma defesa sólida e quase impenetrável.

O bom resultado na primeira partida e o ótimo retrospecto diante do CSA em finais levavam a crer que o clube seria novamente campeão estadual em 2018, mas já nos primeiros 45 minutos do segundo jogo o clube viu sua vantagem ser desconstruída e foi para o intervalo perdendo por 2–0. No segundo tempo o clube abandonou a postura defensiva e foi pra cima em busca de um gol para levar a partida para os pênaltis. Apesar do volume de jogo o placar permaneceu inalterado, consagrando assim o CSA como campeão alagoano.

Série B

Em 38 rodadas, o Galo conseguiu 12 vitórias, 12 empates e 14 derrotas, somando 48 pontos e encerrando o campeonato como 12° colocado, com 5 pontos de vantagem sobre o primeiro clube rebaixado para a Série C, o Paysandu que somou 43 pontos durante toda a competição.

O CRB se livrou do rebaixamento por causa da boa campanha ao longo do 2° turno, quando o treinador Roberto Fernandes assumiu a equipe no lugar de Mazola Júnior. Principalmente na reta final, o Galo conseguiu resultados importantes e se afastou da zona de rebaixamento.

O clube se manteve invicto nas últimas cinco rodadas, conseguindo 3 vitórias dentro do Rei Pelé, 1 vitória fora de casa e 1 empate também fora de casa em confronto direto contra o Criciúma.

Cinco partidas finais do CRB na Série B de 2018

CRB 2 – 1 Boa Esporte

CRB 2 – 0 Juventude

Criciúma 3 – 3 CRB

Londrina 1 – 2 CRB

CRB 2 – 1 Figueirense

2019

Na temporada de 2019 o Galo foi vice-campeão alagoano perdendo a final para o CSA nos pênaltis.

Fez boa campanha na Copa do Brasil chegando pela segunda vez na Terceira Fase do torneio e caindo para o Bahia, depois de eliminar o Brasiliense e o Goiás, ambos fora de casa.

Se classificou para as quartas de final da Copa do Nordeste, onde mais uma vez viu a classificação escapar. O clube vencia o Santa Cruz em pleno Arruda por 1x0, tendo marcado o gol nos minutos finais da partida, mas ainda assim permitiu o empate nos acréscimos. O resultado de 1x1 levou a decisão para os pênaltis e o CRB acabou derrotado por 8-7.

Disputou a fase preliminar para a Copa do Nordeste do ano seguinte e conseguiu garantir sua vaga no torneio superando o Juazeirense por 2x1 no Rei Pelé, depois de haver empatado a partida de ida em Juazeiro.