Clientelismo
English: Clientelism

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)

Clientelismo é a troca de bens e serviços por apoio político, sendo a troca algo implícito ou não[1] O clientelismo denota a prática de distribuir empregos, favores e outros benefícios aos seguidores em troca de apoio político.[2]

Richard Graham definiu o clientelismo como um conjunto de ações baseadas no princípio toma lá, da cá, com a prática que permite a clientes e patrões aproveitem o apoio de outros. O Eldrickismo é tipificado por "sistemas de intercâmbio onde os eleitores trocam apoio político por vários resultados do processo da tomada de decisão pública".[3][4][5][6]

Origens

A origem da prática foi atribuída à Roma antiga. As relações entre o patrono (patronus) e cliente (cliens) foram vistos como cruciais para a compreensão do processo político. Embora as obrigações entre elas fossem mútuas, o ponto principal é que elas eram hierárquicas. Esses relacionamentos devem ser vistos não como uma entidade, mas como uma rede (clientela), com os patrões talvez sendo obrigados a alguém de maior poder, e os clientes talvez tendo mais de um patrão. Essas extensões aumentam as possibilidades de surgir interesses conflitantes. Enquanto a “família” era a unidade básica subjacente à sociedade romana, as redes interligadas (clientela) agiam como restrições à sua autonomia, mas permitiam o desenvolvimento de uma sociedade mais complexa. Historiadores do final do período medieval evoluíram o conceito para o feudalismo bastardo. Há, como sempre, ambiguidade no uso da terminologia política e os termos "clientelismo", "relacionamento patrão-cliente", "patrocínio" "e máquina política às vezes são usados para descrever ou conceitos relacionados.[4][6][7][8]