Cinema do Irão

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Agosto de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Cinema do Irão Cinema do Irão
Mohsen makhmalbaf.jpg Abbas-kiarostami-venice.jpg

Os cineastas Mohsen Makhmalbaf e Abbas Kiarostami, os principais cineastas do país
País Irão
AssociaçãoNeorrealismo italiano
Nouvelle vague
Cinema verdade
Vanguardas européias
Construtivismo russo
Cinema indiano
Cultura muçulmana
sátira
EscolasNew Wave
Nomes principaisAbbas Kiarostami, Mohsen Makhmalbaf, Jafar Panahi e Ashgar Farahdi

O Cinema iraniano ou cinema persa é a indústria cinematográfica do Irã/Irão.

A indústria do cinema nasceu no Irã/Irão em 1900, em uma exibição do Xá Reza Pahlevi e sua família do cinema. A produção do Irã/Irão está desenvolvendo desde o final do Século XX. O surgimento de cinema New Wave se desenvolvendo desde os anos 1960 - 1970 marca uma viragem na história da indústria cinematográfica no Irã/Irão, assim como a revolução iraniana de 1979. Novas restrições sobre os realizadores após o advento da islâmicos no cinema iraniano irão influenciar toda a década de 1980. A partir da década de 1990, o cinema iraniano está passando por um crescente reconhecimento na crítica cinematográfica internacional: filmes iranianos, muitas vezes ganham prêmios em festivais internacionais e festivais dedicados ao cinema iraniano são realizadas regularmente em todo o mundo. Os seus principais nomes são os cineastas Abbas Kiarostami (Gosto de Cereja, Dez), Jafar Panahi (O Balão Mágico) e Mohsen Makhmalbaf (O Ciclista).

História

Dokhtar Lor, primeiro filme falado iraniano

Em 1900, o cinema foi apresentado pela primeira vez para o e sua esposa, cinco anos depois de ser inventado.

Na década de 30 estréia o primeiro filme falado iraniano, Dokhtar Lor.

Assim como o cinema japones, o cinema iraniano acumulava obras-primas como A Vaca de 1969 e o tocante Khaneh Siah Ast da poetisa Farroukh Farrozoad, durante anos sofreu de falta de reconhecimento e esquecimento. Na década de 1980, o cinema iraniano passou a se erguer com o cinema de arte de Abbas Kiarostami com filmes culto como Gosto de Cereja de 1997, ganhador da Palma de Ouro em Cannes, e continuou com o neorrealista Mohsen Makhmalbaf de O Ciclista, Salve o Cinema, filme feito em homenagem aos 100 anos do cinema em 1995, baseado num anúncio de jornal que foi postado por Makhmalbaf para quem quisesse trabalhar no seu novo filme e entrar para o cinema, Makhmalbaf vê que há muitas pessoas tendo algumas morrido tendo inclusive ido lá a polícia, sendo que até as estruturas do lugar abalaram, Makhmalbaf aproveita a situação e filma um filme sobre pessoas que querem ser artistas de cinema, escolhendo 100 entre eles para ir lá, Makhmalbaf, interroga insistentemente as pessoas sobre os limites que estão dispostas a ir a serem artistas, e Um Instante de Inocência, filme autobiográfico de Makhmalbaf. Samira Makhmbalbaf segue a escola do pai com o filme A Macã. Jafar Panahi de O Balão Branco, é da mesma escola de Makhmalbaf. Bahman Ghobadi contém uma poesia mágica herdada de Federico Fellini e Akira Kurosawa. Majid Majidi se entrega a um cinema melancólico herdado do Neorrealismo italiano, mas mantém o estilo com filmes excelentes. Ashgar Farhadi continua com o cinema psicológico com o drama A Separacão (premiado em 2011 com o Urso de Ouro) uma das melhores obras-primas do cinema mundial atual.