Chandrayaan-2
English: Chandrayaan-2

Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre uma missão espacial atualmente em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 11 de setembro de 2019)CELstart-rocket.png
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2019). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Chandrayaan-2
Descrição
Duração da missãoOrbitador: 1 ano
Lander Vikram: <15 dias[1]
Rover Pragyan <15 dias[1]
Propriedades
Massa2.650 kg
Produção
AntecessorChandrayaan-1
SucessorChandrayaan-3
Missão
DestinoLua


Chandrayaan-2 (em sânscrito: चंद्रयान-२, lit: Moon-vehicle[2][3] Loudspeaker.svg? pronunciation) é a segunda missão de exploração lunar desenvolvido pela Agência Espacial Indiana, em seguimento a Chandrayaan-1, inicialmente em conjunto com a Agência Espacial Russa.[4] A missão era planejada para começar em 2014[5][6][7] mas o lançamento foi cancelado devido a um obstáculo técnico em 15 de julho de 2019, e remarcado às 2:43 pm IST na segunda-feira, 22 de julho de 2019.[8][9] De acordo com a ISRO, a missão vai testar várias novas tecnologias e realizar novos experimentos.[5][6][10] A espaçonave tem uma massa de 3,8 toneladas e tem três módulos: Sonda espacial orbital, Lander (Vikram) e Rover (Pragyan). Se a missão fosse bem sucedida, o ISRO Chandrayaan 2 seria a primeira missão a pousar um veículo espacial perto do pólo sul lunar e a Índia se tornaria o quarto país a conseguir esse feito depois dos Estados Unidos, da União Soviética e da China,[11] entretanto, a ISRO perdeu contato com o módulo lunar quando este estava aproximadamente a 2,1 quilômetros acima da superfície da Lua.[12]

História

Em 12 de novembro de 2007, representantes da Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos) e ISRO assinaram um acordo para as duas agências trabalharem juntas no projeto Chandrayaan-2.[13] A ISRO seria a principal responsável pelo orbitador e pelo veículo espacial, enquanto a Roscosmos seria a fornecedora da sonda. O governo indiano aprovou a missão em uma reunião do gabinete da União, realizada em 18 de setembro de 2008 e presidida pelo primeiro-ministro Manmohan Singh.[14] O design da nave espacial foi concluído em agosto de 2009, com cientistas de ambos os países realizando uma revisão conjunta.[15][16]

Chandrayaan 2 deveria ser lançado de Sriharikota em 15 de julho às 02h01. entretanto foi adiado, citando questões técnicas.[17][18] Finalmente, a nave foi lançada em 22 de julho de 2019.[19]

A câmera LI4 Chandrayaan-2, em 21 de agosto de 2019, a uma altitude de 2650 quilômetros da superfície da lua, capturou a primeira imagem da Lua. As duas características mais notáveis na borda são a bacia Mare Orientale e as crateras da Apollo.[20] Em 1 de setembro, o sistema Chandrayaan 2 (as unidades combinadas de orbitador, aterrizador e astromóvel) completou sua quinta e última manobra de redução de órbita, levando-o a uma órbita quase circular de 119 x 127 km ao redor da lua.[21]