Ceará Sporting Club

Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2018).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo.
Ceará
Ceará Sporting Club logo.svg
NomeCeará Sporting Club
AlcunhasVovô
Vozão
Time do Povo
O Mais Querido
Alvinegro de Porangabussu
Alvinegro Cearense
Gigante Alvinegro
Glorioso
Torcedor/AdeptoAlvinegro
MascoteVovô
Principal rivalFortaleza
Ferroviário
Fundação2 de junho de 1914 (105 anos)
EstádioEstádio Presidente Vargas
Arena Castelão
Capacidade20 268 espectadores
63 903 espectadores[1]
LocalizaçãoFortaleza, Brasil
Mando de jogo emArena Castelão
Presidente Vargas
Capacidade (mando)63 903 espectadores[2]
20 268 pessoas[1]
PresidenteRobinson de Castro
TreinadorEnderson Moreira
PatrocinadorEmbracon
Pro Tork[3]
NET[4]
Alubar
Brisanet[5]
Material (d)esportivoTopper
CompetiçãoCampeonato Cearense
Campeonato Brasileiro – Série A
Copa do Brasil
Copa Fares Lopes
Copa do Nordeste
Ranking nacionalBaixa 27.º lugar, 5 553 pontos[6]
Websitewww.cearasc.com
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Ceará Sporting Club é um clube poliesportivo brasileiro. Sua sede situa-se na capital do Estado do Ceará, na Região Nordeste do Brasil. O clube foi fundado na noite do dia 2 de junho de 1914, pelas ruas do histórico bairro do Centro da Capital.

Seu mascote é o vovô, não por ser o time mais velho da capital cearense, mas por Meton de Alencar Pinto, então presidente do clube, por ao receber os atletas juvenis do América Futebol Club, os tratou como seus "netinhos".

Seu estádio oficial é o Carlos de Alencar Pinto, apelidado pela torcida como Vovozão. O alvinegro, porém, manda os seus jogos na Arena Castelão, do Governo do Estado do Ceará, e no Estádio Presidente Vargas, da Prefeitura de Fortaleza.

Também é de posse do clube um dos mais modernos centros de treinamento do Nordeste, a Cidade Vozão, que ocupa uma área de oito hectares, abrigando nele um estádio com capacidade para 4.000 pessoas; três campos oficiais de treinamento, bem como uma quadra society. O CT possui um prédio com 1.600 m² de construção.

Tem como principais títulos os campeonatos do Torneio Norte–Nordeste de 1969 e a Copa do Nordeste de 2015, conquistada de forma invicta, além de 45 títulos estaduais.

É dono das melhores campanhas de um clube cearense na Copa do Brasil (vice-campeão na edição de 1994, em que ficou marcada pela polêmica de um pênalti não marcado a favor do Alvinegro na final, além das semifinais de 2005 e 2011).

O clube é o dono da maior torcida do estado, sendo a terceira maior do Nordeste,[7][8] segundo a Pluri,[9] o IBOPE,[10] o Datafolha,[11] a Ipsos Marplan,[12] o Lance! e Ibope.[13] É o clube alencarino com mais públicos acima de 50.000 pagantes na história do Estado (13 vezes). Além disso, é o clube cearense com a melhor média de público de todas as edições da Série A (28.613 pagantes em 2018), além de possuir médias espetaculares em 2010 (23.467 pagantes) e 1982 (21.622 pagantes); além disso, é o clube cearense com a melhor média de público da Copa do Brasil (35.407 pagantes em 2005), além de possuir a 4ª melhor média de público da história da competição (20.355 pagantes entre 1989 e 2017)[14]. Também possui números expressivos em outras competições, como as Copas do Nordeste de 2013 (23.541 pagantes), 2014 (20.283 pagantes) e 2015 (24.282 pagantes); as Série B de 2009 (22.660 pagantes) e 2017 (20.555 pagantes); e o Cearense de 2006 (20.229 pagantes). O clube alvinegro também é o dono do maior público entre clubes cearenses em edições da Série A do Campeonato Brasileiro, com um público de 57.223 pagantes em partida contra o Vasco da Gama em 2018.

É o único time do estado e um dos poucos do Brasil a nunca ter participado da Série C do Campeonato Brasileiro, embora seja o clube brasileiro com maior número de participações na Série B, com cadeira cativa em trinta edições até 2017. Nela, obteve três acessos (1992, 2009 e 2017). Além disso, o Ceará é o único clube do Nordeste a nunca ter ficado sem Série desde 1971 ou disputado a Série C (o Sport, o outro nordestino a nunca ter jogado a Série C, ficou sem divisão em 1972).

É, também, o clube cearense que mais participou do Campeonato Brasileiro da Série A e da Copa do Brasil, além de ser recordista de títulos de Campeonato Cearense, com 45 conquistas, sendo uma vez pentacampeão (1915-1919), 3 vezes tetracampeão (1975-1978, 1996-1999 e 2011-2014) e 1 tricampeonato (1961-1963) e ser o único time do estado a ter participado de uma competição internacional oficial, a Copa Conmebol de 1995 e a Copa Sul-Americana de 2011.

O Ceará tem também tradição no futsal, onde foi tricampeão do Campeonato Cearense, nas edições de 2003, 2004 e 2005. O Alvinegro é o 4º clube que mais vezes venceu o campeonato estadual da modalidade, ficando atrás de Sumov, América e Horizonte.

História

No estado do Ceará, o futebol teve seus primeiros passos dados por marinheiros e funcionários de empresas inglesas instaladas no estado em 1903. Em 1904, José Silveiria, jovem estudante na Suíça, trouxe a primeira bola oficial para o estado. Logo o futebol tornou-se paixão popular; não demorou muito e surgiram inúmeras equipes.

No dia 2 de junho de 1914, caminhando pelo centro da capital do estado Ceará, Luís Esteves Júnior e Pedro Freire conversavam sobre diversos assuntos, principalmente sobre política internacional. Após chutar uma pedra no meio do caminho, começaram a falar sobre futebol, surgindo a ideia de fundar um clube. Ao encontrar colegas no Café Art Nouveau, na Praça do Ferreira, a ideia da dupla foi se concretizando. Ainda no mesmo dia, a turma se reuniu na residência de Luís Esteves. As 22 pessoas (há quem fale em 18 e em 25) escolheram o nome do clube como Rio Branco Football Club, com camisas de cor roxa e calções brancos, semelhantes ao uniforme da atual Fiorentina, da Itália (que seria fundada em 1926 e cujas vestimentas, portanto, não influenciaram as cores do time cearense). Gilberto Gurgel, comerciante da Praça do Ferreira, foi eleito o primeiro presidente e promoveu-se uma coleta entre os associados, visando a arrecadar fundos para comprar uma bola oficial número 5. Foram arrecadados cerca de 22 mil réis, uma quantia razoável e que mostra a boa condição social dos fundadores do clube.

Numa outra reunião, exatamente um ano depois, foi escolhido mudar o nome do time para Ceará Sporting Club e, devido a dificuldade de se obter camisas na cor roxa, mudou-se as cores do uniforme para preto e branco.[15][16]

Não se sabe bem o porquê da escolha do nome Rio Branco. Provavelmente uma homenagem ao famoso diplomata brasileiro Barão do Rio Branco, falecido em 1912. O nome reflete, contudo, a dureza, as dificuldades da época e as esperanças de um futuro melhor; queria-se um Rio Branco de águas limpas, transparentes para se banhar e aproveitar o vento e o sol. O nome Ceará relaciona-se a um aumento do regionalismo, uma consequente desilusão da Belle Époque, advinda com a Primeira Guerra Mundial. As cores alvinegras evidenciavam igualmente o momento: o branco da paz, a que homens almejavam naquele instante de guerra, mais ainda. Quanto ao preto, há uma significância toda especial: sabe-se que tal cor, por séculos associada ao luto e a morte, foi transformada pela nobreza absolutista da idade moderna e sobretudo pelas elites num tom solene de elegância, gala, luxo, força, poderio e aristocracia. Assim, foram misturados no Ceará, o poder, a nobreza e a ternura.

Apesar de muitos pensarem que o codinome Vovô se deva ao fato de o Ceará ser o mais velho clube do estado, depoimento de Aníbal Câmara Bonfim, um dos fundadores do América Futebol Club, em 1920, diz o real motivo do apelido. Ele contava que os jogadores do América costumavam treinar no campo do Ceará. O presidente do Ceará na época, Meton de Alencar Pinto, passou a tratá-los como "meus netinhos" e se auto-intitulava "Vovô".[17] Em 2009, o personagem ganhou vida. Uma pessoa fantasiada de Vovô passou a estar presente nos jogos em que o mando de campo é do alvinegro.

O jogo mil de Pelé pelo Santos

Pelé 1960.jpg

Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, esteve em Fortaleza para jogar contra o Ceará vestindo a camisa do Santos. Esse seria o milésimo jogo de Pelé pelo clube. No confronto de alvinegros, quem se deu bem foi o Vovô, que bateu o Santos por 2 a 1 de virada. O Ceará saiu perdendo no primeiro tempo com um gol de Pelé, o 1 015 de sua carreira, mas os cearenses voltaram a campo dispostos a virar o placar e, aos 17 minutos da etapa complementar, Samuel empatou. Treze minutos depois, Da Costa fez de cabeça o gol da virada do Vovô.

"Já estava no finalzinho do jogo, o placar era 1 a 1 porque o Samuel tinha empatado para nós no começo do segundo tempo", contou Da Costa, autor do gol da vitória alvinegra. "A jogada foi assim: Samuel ou Edmar, não lembro direito, meteu uma bola para o Jorge Costa na ponta direita. O Jorge ganhou na carreira do Rildo (lateral esquerdo do Santos), foi à linha de fundo e cruzou. Eu ameacei ir para a marca do pênalti e voltei… O Carlos Alberto subiu, mas eu subi na frente dele e cabeceei, a bola bateu no pau da trave e entrou lá no cantinho. É um gol que guardo comigo até hoje." Da Costa conta ainda de uma curiosa aposta feita por Paulino Rocha na época. "Eu vou revelar coisa que pouca gente sabe. O Paulino Rocha desceu lá nos vestiários durante o intervalo e me disse: 'Da Costa, eu apostei com o Rolim (torcedor rival), e, se você fizer o gol da vitória, eu lhe dou o dinheiro todinho da aposta.' Pois ele me deu tudo… eram 3 mil cruzeiros, era muito dinheiro na época."[18]

A partida foi realizada em 3 de novembro de 1972 e foi presenciada por um grande número de torcedores, que abarrotaram as arquibancadas do Presidente Vargas, cerca de 35 752 pagantes. Ceará: Hélio, Paulo Tavares, Odélio, Mauro Calixto, Dimas, Edmar, Joãozinho, Nado, Jorge Costa, Samuel e Da Costa. Santos: Joel Mendes, Turcão, Paulo, Altivo, Murias (Vicente), Léo, Pitico, Roberto Carlos, Afonsinho (Edu), Pelé e Ferreira.[19]