Catedral de Chartres

Catedral de Chartres
Catedral de Chartres
Estilo dominanteGótico
Início da construção1145
Fim da construção1221
ReligiãoCatolicismo
DioceseChartres
Ano de consagração1260
Websitewww.chartres-cathedrale.fr
Geografia
País França
RegiãoChartres
LocalChartres
Coordenadas48º 26' 51" N 1º 29' 14" E
Pix.gifCatedral de Chartres *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

20050921CathChartresB.jpg
Catedral de Chartres
PaísFRA
CritériosC (i) (iv)
Referência81 en fr es
Coordenadas48º 26' 51" N 1º 29' 14" E
Histórico de inscrição
Inscrição  (? sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

A Catedral de Chartres, também chamada de Notre-Dame de Chartres, é uma catedral católica de estilo gótico localizada na cidade de Chartres, noroeste da França. É elencada como um dos grandes exemplos da arquitetura gótica francesa ao lado das catedrais de Amiens e de Reims, e também notada por suas esculturas e vitrais.[1]

Segundo a tradição católica, a Sancta Camisa, um manto que teria sido usado pela Virgem Maria, é custodiada na catedral.[2] Peça esta que fora presenteada por Carlos, o Calvo, e que, inclusive, teria sido o motivo da construção da catedral, no século XII, após um incêndio que devastou a igreja românica que havia em seu lugar.[3]

História

A Catedral de Chartres teve a sua construção iniciada em 1145 e terminada em 1221.[4] Foi reconstruída após um incêndio de 1194. Marca o zénite da arte gótica na França. A vasta nave, em puro estilo ogival, os adornos com estátuas finamente esculpidas de meados do século XII e as magníficas janelas com vitrais dos séculos XII e XIII, todas em notável estado de conservação, combinam-se para formar uma obra-prima inigualável. Tem uma área superior a 10000 m², 130 m de comprimento e largura máxima de 46 m.[5]

Em 24 de Outubro de 1260 a catedral foi consagrada na presença do rei Luís IX. O rei Henrique IV foi o único monarca francês a ser sagrado neste Templo.[2]

O edifício original construído por Fulberto de Chartres incendiou-se em 1194 e imediatamente se acometeram as obras de reconstrução, que se prolongariam durante 60 anos. O acrescento mais importante é a torre noroeste, dita Clocher Neuf, concluída no ano 1513 para equilibrar a composição imposta pela primeira torre (que se erguia desde 1160). O interior impressiona tanto pelos 37 m de altura que alcança a nave central como pela harmonia e elegantes proporções, embora infelizmente já se tenha perdido a maioria da estatuária original (o retábulo da crucificação foi demolido no século XVIII).