Carlos VII de França

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Carlos VII
Rei da França
Reinado21 de outubro de 1422
a 22 de julho de 1461
Coroação17 de julho de 1429
Antecessor(a)Carlos VI
Sucessor(a)Luís XI
 
EsposaMaria de Anjou
DescendênciaLuís XI de França
Iolanda de Valois
Madalena de Valois
Carlos de Valois, Duque de Berry
Joana de Valois, Duquesa de Bourbon
Catarina de Valois
CasaValois
Nascimento22 de fevereiro de 1403
 Paris, França
Morte22 de julho de 1461 (58 anos)
 Mehun-sur-Yèvre, França
EnterroBasílica de Saint-Denis,
Saint-Denis, França
PaiCarlos VI de França
MãeIsabel da Baviera
ReligiãoCatolicismo

Carlos VII (Hôtel Saint-Pol, Paris, 22 de fevereiro de 1403Mehun-sur-Yèvre, 22 de julho de 1461), chamado o Vitorioso (em francês: le Victorieux) ou o Bem Servido (em francês: le Bien-Servi), foi o Rei da França de 1422 até à sua morte (1461), apesar da sua legitimidade ter sido questionada pelo rei Henrique VI de Inglaterra. É o quinto rei do ramo da Casa de Valois da Dinastia dos Capetos.

Carlos herdou o trono francês em 1422 após a morte de seu pai Carlos VI, porém as circunstâncias eram desesperadoras. Forças da Inglaterra e de João, Duque da Borgonha, ocuparam Guiena no norte da França, incluindo Paris, a cidade mais populosa, e Reims, a cidade onde os reis franceses eram tradicionalmente coroados. Além disso, seu pai o havia deserdado em 1420 e reconhecido Henrique V de Inglaterra como seu herdeiro e legítimo sucessor. Ao mesmo tempo, estourou uma guerra civil entre os Armagnacs, apoiantes da Casa de Valois, e os Borguinhões.

Com sua corte sendo estabelecida em Bourges, sul do rio Loire, Carlos foi jocosamente chamado de "Rei de Bourges" pela região ser um dos últimos redutos leais a ele. Entretanto, sua posição militar e política melhorou muito com o surgimento de Joana d'Arc como líder espiritual. Ela e outras figuras carismáticas levaram as tropas francesas a importantes vitórias que criaram o caminho para a coroação de Carlos na Catedral de Notre-Dame de Reims em 1429. Esse evento melhorou a moral francesa e as hostilidades com a Inglaterra continuaram. Os franceses conseguiram expulsar os ingleses em 1453.

Os últimos anos de seu reinado foram marcados por conflitos com seu filho mais velho o futuro rei Luís XI.

Início de vida

Filho de Carlos VI da França e de Isabel da Baviera, seus irmãos mais velhos viriam a falecer antes do pai, deixando-lhe o título de Delfim do Viennois ou herdeiro do trono. Foi conde de Ponthieu e duque da Touraine em 1416, duque de Berry e conde de Poitiers em 1417, Delfim depois da morte dos irmãos mais velhos em 1417[1].

A França achava-se em guerra com a Inglaterra (a Guerra dos Cem Anos), disputando esta o trono àquela. Após a derrota francesa na Batalha de Azincourt, em 1415, o pai deserdou-o pelo Tratado de Troyes (1420), o qual previa que, pela sua morte, seu único herdeiro natural seria o rei de Inglaterra. Quando Carlos VI morreu, tanto Henrique VI de Inglaterra como o jovem Delfim Carlos foram proclamados reis de França; os seus apoiantes invocavam a instabilidade mental do seu pai como causa para a assinatura do tratado, declarando-o nulo e considerando o delfim o único legítimo soberano da França[2]. Porém, cerca de dois terços do reino obedeciam ao rei inglês, entre os quais Reims, em cuja catedral os reis de França eram tradicionalmente coroados.

Morto o pai, foi reconhecido pela facção dos Armagnacs, apenas. Seguiram-se anos de anarquia, em que se apoiava em sua sogra, a qual ajudou Joana d’Arc a se impor. Transformou Bourges em sua capital, apoiando-se inicialmente em Jacques Coeur (1395-1456 Chio), o primeiro burguês a obter a honra de entrar (em 1442) para o Conselho real.