Calendário chinês

O calendário chinês (Chinês Xia Li (夏曆), Tradicional: (農曆), Chinês Simplificado : (农历), pinyin: nónglì) é o mais antigo registro cronológico de que se tem registro na história. É um calendário que se utiliza tanto do Sol quanto da Lua.[1] O início de sua contagem remonta ao ano de 2697 a. C., quando foi introduzido o calendário de cinco ciclos de doze anos governados por animais distintos: Rato, Touro, Tigre, Lebre, Dragão, Cobra, Cavalo, Ovelha, Macaco, Galo, Cão e Porco. A partir dele surgiu o horóscopo chinês. Na Ásia diversos países adotam calendários parecidos com o chinês.

Embora a China moderna use o calendário gregoriano, o calendário tradicional chinês governa feriados - como o Festival das Lanternas - tanto na China quanto nas comunidades chinesas no exterior. Ele também dá a nomenclatura tradicional chinesa de datas dentro de um ano, que as pessoas usam para selecionar dias auspiciosos para casamentos, funerais, mudança ou começar um negócio.

O calendário chinês é lunissolar. Cada ano possui doze lunações acarretando em um total de 354 dias. Para não se perder a sincronia com o ciclo solar (de 365,25 dias), é acrescentado um mês aproximadamente a cada três anos.[2] Desta forma não se perde a sincronia nem com o ciclo solar, nem com o lunar. Por isso, considera-se que o calendário chinês é lunissolar.[3]

Desde 5 de Fevereiro de 2019, estamos no ano 4717 do calendário chinês, o ano do Porco.[4]

Ciclo

"shu" 鼠 (rato), "niu" 牛 (boi), "hu" 虎 (tigre), "tu" 兔 (coelho), "long" 龍 (dragão), "she" 蛇 (serpente), "ma" 馬 (cavalo), "yang" 羊 (cabra), "hou" 猴 (macaco), "ji" 雞 (galo), "gou" 狗 (cão), "zhu" 豬 (porco).