Cachalote

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cachalote (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCachalote
Cachalote-fêmea e seu filhote
Cachalote-fêmea e seu filhote
Comparação de tamanho com um humano médio
Comparação de tamanho com um humano médio
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável
Classificação científica
Reino:Animalia
Filo:Chordata
Classe:Mammalia
Ordem:Cetacea
Subordem:Odontoceti
Família:Physeteridae
Género:Physeter
Espécie:P. catodon
Nome binomial
Physeter catodon
Lineu, 1758
Distribuição geográfica
Distribuição do cachalote (azul)
Distribuição do cachalote (azul)
Sinónimos
Physeter macrocephalus

O cachalote ou cacharréu[1] (Physeter macrocephalus) é o maior dos cetáceos com dentes bem como o maior animal com dentes atualmente existente. Mede até 20 metros de comprimento. Este cetáceo tem, como característica distintiva, o facto de possuir, na cabeça, uma substância cerosa de cor leitosa: o espermacete. A enorme cabeça e a forma distintiva do cachalote, bem como o seu papel na obra Moby Dick de Herman Melville, levaram muitos a descreverem o cachalote como o arquétipo de "baleia" por excelência, mesmo que ele não possa ser considerado uma baleia. O cachalote foi caçado nas águas dos arquipélagos portugueses da Madeira e Açores até 1981[2] e 1984[3] respectivamente.

Etimologia e história taxonómica

Physeter catodon vem dos termos gregos physao ("soprar"), cata ('base") e odon ("dente")[4]. Macrocephalus deriva do termo grego para "cabeça grande". A etimologia da palavra cachalote não é clara, parecendo ter origem em "cachola",[5][6] termo coloquial usado para designar "cabeça", do termo gascão cachau[4] (dentes grandes) ou ainda do termo catalão quitxalot.[7] A sua designação em língua inglesa, sperm whale, é uma contracção de spermaceti whale ("baleia de espermacete").[3] O cachalote foi categorizado pela primeira vez por Lineu, que, em 1758, reconheceu quatro espécies no género Physeter. Porém, não passou muito tempo até que os peritos concluíssem que constituíam uma única espécie. A maioria das publicações modernas classifica o cachalote como a única espécie da família Physeteridae (e como tal a única espécie no seu género). A família do cachalote é, por vezes, tratada como uma superfamília Physeteroidea.[8] Esta superfamília contém apenas mais duas espécies - o cachalote-pigmeu e o cachalote-anão. Estas duas espécies pertencem à família Kogiidae.

No entanto, Mead e Brownell[9] listam estas três espécies na família Kogiidae, designam o cachalote Physeter catodon e dispensam a superfamília.

Crê-se que o cachalote divergiu dos outros cetáceos com dentes nos primeiros tempos da evolução da subordem - há cerca de 20 milhões de anos.[10]