Câncer
English: Cancer

Disambig grey.svg Nota: "Cancro" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Cancro (desambiguação) ou Câncer (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com cancro duro, ou cancro mole.
Câncer
Tumor Mesothelioma2 legend.jpg
(FIGURA A) Células normais danificadas de modo irreversível são eliminadas através de um mecanismo conhecido como apoptose.

(FIGURA B) Células cancerígenas evitam a apoptose e continuam a multiplicar-se de maneira desregulada.

Especialidadeoncologia
Classificação e recursos externos
CID-10C80, C80.1
CID-9199
DiseasesDB28843
MedlinePlus001289
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Câncer (pt-BR) ou cancro (pt), também conhecido como neoplasia maligna, é um grupo de doenças que envolvem o crescimento celular anormal, com potencial para invadir e espalhar-se para outras partes do corpo, além do local original.[1][2] Há mais de cem diferentes cânceres conhecidos que afetam os seres humanos,[2] mas nem todos os tumores são cancerosos (malignos); tumores benignos não se espalham pelo corpo.[2] Sinais e sintomas possíveis incluem surgimento de uma massa cancerígena, sangramento anormal, tosse prolongada, perda de peso inexplicável, mudança nas funções intestinais, entre outros.[3] Apesar de estes sintomas poderem indicar câncer, eles também podem ocorrer devido a outras doenças.[3]

O uso do tabaco é a causa de cerca de 22% das mortes, evitáveis, por câncer.[1][4] Outros 10% ocorrem devido à obesidade, uma dieta pobre, falta de atividade física e consumo de bebidas alcoólicas.[1][5] Entre outros, estão certos tipos de infecções, exposição à radiação ionizante e poluentes ambientais.[6] No mundo em desenvolvimento, cerca de 20% dos cânceres surgem devido a infecções, tais como hepatite B, hepatite C e vírus do papiloma humano (HPV).[1] Estes fatores atuam, pelo menos parcialmente, na alteração dos genes das células.[7] Normalmente muitas dessas mudanças são necessárias para que o câncer se desenvolva.[7] Entre 5% e 10% dos cânceres surgem por conta de defeitos genéticos hereditários.[8] O câncer pode ser detectado através de certos sinais e sintomas ou por meio de testes de rastreio.[1] Em seguida, geralmente é feita a investigação por imagens médicas e a confirmação pela biópsia.[9] Os benefícios do rastreio do câncer de mama ainda são controversos,[10][11] mas a detecção precoce através de mamografia é útil para o câncer do colo do útero e colorretal.[10]

Muitos cânceres podem ser evitados ao: manter um peso ideal, comer muitos vegetais, frutas e grãos integrais, ser vacinado contra certas doenças infecciosas, não comer muita carne vermelha processada, evitar ingestão excessiva de álcool, de fumo e demasiada exposição à luz solar.[12][13] O câncer é frequentemente tratado através da combinação de radioterapia, cirurgia, quimioterapia e terapia dirigida.[1][14] A gestão da dor e dos sintomas é uma parte importante do tratamento. Os cuidados paliativos são particularmente importantes para os doentes com cânceres em estágios avançados.[1] A chance de sobrevivência depende do tipo de câncer e da extensão da doença no início do tratamento.[7] Em crianças menores de quinze anos no momento do diagnóstico a taxa de sobrevivência de cinco anos no mundo desenvolvido é, em média, de 81%.[15] Nos Estados Unidos a taxa média de sobrevivência de cinco anos é de 66%.[16]

Em 2012, cerca de 14,1 milhões de novos casos de câncer ocorreram globalmente (excluindo casos de câncer de pele que não seja melanoma).[7] A doença causou cerca de 8,2 milhões de mortes, ou 14,6% de todas as mortes humanas,[7][17] além de um prejuízo anual de 2 trilhões de dólares na economia mundial (dados de 2015).[18][19] Os tipos mais comuns de câncer nos homens são de pulmão, próstata, colorretal e de estômago. Nas mulheres, os tipos mais comuns são o câncer de mama, colorretal, de pulmão e cervical.[7] Se o câncer de pele que não for melanoma for incluído no total de novos casos anuais, ele representará cerca de 40% dos registros da doença.[20][21] Em crianças, leucemia linfoide aguda e tumores cerebrais agudos são os mais comuns, exceto na África, onde o linfoma não Hodgkin ocorre com mais frequência.[15] Em 2012, cerca de 165 mil crianças com menos de quinze anos de idade foram diagnosticadas com câncer. O risco de câncer aumenta significativamente com a idade e muitos cânceres ocorrem mais comumente em países desenvolvidos devido à mudança no estilo de vida e à chegada da terceira idade.[7][22][23]

Etimologia

A palavra "Câncer" em português brasileiro é oriunda do latim cancer, em português: caranguejo,[24] em referência à proliferação de células cancerosas no organismo (metástase), que se espalham pelo corpo de forma semelhante às patas e pinças do caranguejo que irradiam do seu cefalotórax. Em português europeu, o termo cancro é oriundo do latim cancru.[25]