Butão
English: Bhutan

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
འབྲུག་རྒྱལ་ཁབ་
(Druk Gyal Khap)

Reino do Butão
Bandeira do Butão
Brasão de armas do Butão
BandeiraBrasão de armas
Hino nacional: Druk tsendhen
("Reino do Dragão do Trovão")
Gentílico: Butanês,
butanense,[1]
butani,[1]
butâni[1]

Localização do Reino do Butão

Localização do Butão
CapitalThimphu
Cidade mais populosaThimphu
Língua oficialButanês
GovernoMonarquia constitucional
 - ReiJigme Khesar Namgyal Wangchuck
 - Primeiro-ministroLotay Tshering
Formação 
 - Datac. século XVII 
Área 
 - Total38 394 km² (133.º)
 FronteiraÍndia e China
População 
 - Estimativa para 2015765.650[2] hab. (167.º)
 - Densidade18,2 hab./km² 
PIB (base PPC)Estimativa de 2007
 - TotalUS$ 4,257 bilhões * USD (est. 2009) (171.º)
 - Per capitaUS$ 4 700 USD (est. 2009) (147.º)
IDH (2017)0,612 (134.º) – médio[3]
Gini38.7 (2012)[4]
MoedaNgultrum¹ (BTN)
Fuso horário(UTC+6)
Cód. ISO.bt
Cód. telef.+975

Mapa do Reino do Butão

1. O ngultrum está ligado à rupia indiana, moeda que também é geralmente aceita na base 1:1.

Butão (em butanês: འབྲུག་ཡུལ་; transl.: Dru Ü, pronúncia: [ʈʂɦu yː], lit. "Terra do Dragão"), oficialmente Reino do Butão (འབྲུག་རྒྱལ་ཁབ་ Druk Gyal Khap),[5] é um país interior localizado no sul da Ásia, no extremo leste dos Himalaias. Faz fronteira a norte com a China e para o sul, leste e oeste pela Índia. Mais a oeste, está separado do Nepal pelo estado indiano de Siquim, enquanto mais ao sul está separado de Bangladesh pelos estados indianos de Assam e Bengala Ocidental. A capital e maior cidade do Butão é Thimbu.

O Butão existia como uma manta de retalhos de pequenos feudos em guerra até o início do século XVII, quando o lama e líder militar Shabdrung Ngawang Namgyal, fugindo da perseguição religiosa no Tibete, unificou a área cultivada e uma identidade distinta butanesa. Mais tarde, no início do século XX, o Butão entrou em contato com o Império Britânico e manteve fortes relações bilaterais com a Índia sobre a sua independência. Em 2006, baseado em uma pesquisa global, a revista BusinessWeek avaliou o Butão o país mais feliz na Ásia e o oitavo país mais feliz do mundo.

A paisagem do Butão varia de planícies subtropicais no sul às alturas sub-alpinas no norte dos Himalaias, onde alguns picos excedem a altitude de 7 000 metros. Em 1997 a área total foi relatada como cerca de 46 500 km² e de 38 394 km² em 2002. A religião oficial é o budismo vajrayana e é seguida pela grande maioria da população, estimada 802 163 em 2017. O hinduísmo é a segunda maior religião.

Em 2008, o Butão fez a transição da monarquia absoluta para a monarquia constitucional e realizou a sua primeira eleição geral. Além de ser um membro da Organização das Nações Unidas, Butão é um membro da Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional (SAARC) e organizou em abril de 2010 o XVI congresso da SAARC.

História

A tradição situa o início da sua história no século VII, quando o rei tibetano Songtsen Gampo construiu os primeiros templos budistas nos vales de Paro e de Bumthang. No século VIII, é introduzido o budismo tântrico pelo Guru Rimpoché, "O Mestre Precioso", considerado o segundo Buda na hierarquia tibetana e butanesa.

Os séculos IX e X são de grande turbulência política no Tibete e muitos aristocratas vieram instalar-se nos vales do Butão onde estabeleceram o seu poder feudal.

Nos séculos seguintes, a atividade religiosa começa a adquirir grande vulto e são fundadas várias seitas religiosas, dotadas de poder temporal por serem protegidas por facções da aristocracia. No Butão estabeleceram-se dois ramos, embora antagônicos, da seita Kagyupa. A sua coexistência será interrompida pelo príncipe tibetano Ngawang Namgyel que, fugido do Tibete, no século XVII unifica o Butão com o apoio da seita Drukpa, tornando-se no primeiro Shabdrung do Butão, "aquele a cujos pés todos se prostram". Ele mandaria construir as mais importantes fortalezas do país que tinham como função suster as múltiplas invasões mongóis e tibetanas. O relato da época foi feito por Estêvão Cacella, o primeiro europeu a entrar no Butão. Este missionário jesuíta português, que viajou através dos Himalaias em 1626, encontrou-se com o Shabdrung Ngawang Namgyel e no fim de uma estadia de quase oito meses escreveu uma longa carta do Mosteiro Chagri relatando as suas viagens. Este é o único relato deste Shabdrung que resta.[6] A partir do seu reinado estabeleceu-se um sistema político e religioso que vigoraria até 1907, em que o poder é administrado por duas entidades, uma temporal e outra religiosa, sob a supervisão do Shabdrung.

Desde sempre que o Butão só mantinha relações com os seus vizinhos na esfera cultural do Tibete (Tibete, Ladaque e Siquim) e com o reino de Cooch Behar na sua fronteira sul. Com a presença dos ingleses na Índia, no século XIX, e após alguns conflitos relacionados com direitos de comércio, dá-se a guerra de Duar em que o Butão perdeu uma faixa de terra fértil ao longo da sua fronteira sul. Ao mesmo tempo, o sistema político vigente enfraquecia por a influência dos governadores regionais se tornar cada vez mais poderosa. O país corria o risco de se dividir novamente em feudos.

Um desses governadores, o "Penlop" de Tongsa, Ugyen Wangchuck, que já controlava o Butão central e oriental, conseguiria dominar os seus opositores de Thimbu e, assim, implantar a sua influência sobre todo o país. Em 1907 seria coroado rei do Butão, após consultas ao clero, à aristocracia e ao povo, e com a aliança dos ingleses. Foi assim criada a monarquia hereditária que hoje vigora.