Bernardo Guimarães

Bernardo Guimarães Academia Brasileira de Letras
Nascimento15 de agosto de 1825
Ouro Preto, Província de Minas Gerais, Flag of Brazil (1822–1870).svg Império do Brasil
Morte10 de março de 1884 (58 anos)
Ouro Preto, Província de Minas Gerais, Flag of Brazil (1870–1889).svg Império do Brasil
NacionalidadeFlag of Brazil (1822–1870).svg brasileiro
Alma materFaculdade de Direito de São Paulo
Ocupaçãoromancista, poeta, jornalista, magistrado e professor
Género literárioromance
Movimento literárioRomantismo
Magnum opusA Escrava Isaura
Carreira musical
Período musical1852 - 1883
Iconografia de Bernardo Guimarães.

Bernardo Joaquim da Silva Guimarães (Ouro Preto, 15 de agosto de 1825 — Ouro Preto, 10 de março de 1884) foi um romancista e poeta brasileiro, conhecido pelo romance A Escrava Isaura, sendo o patrono da Cadeira nº 5 da Academia Brasileira de Letras. [1]

Biografia

Filho de João Joaquim da Silva Guimarães, também poeta, e de Constança Beatriz de Oliveira Guimarães. Casou-se com Teresa Maria Gomes de Lima Guimarães, e tiveram oito filhos: João Nabor (1868-1873), Horácio (1870-1959), Constança (1871-1888), Isabel (1873-1915), Affonso (1876-1955), também escritor, autor de Os Borrachos e Ossa Mea, sob o nome de Silva Guimarães, José (1882-1919), Bernardo (1832-1955) e Pedro (1884-1948).

Formou-se na 20ª turma da Faculdade de Direito de São Paulo, em 1851, colando grau em 15 de março de 1852[2], e nesta cidade tornou-se amigo dos poetas Álvares de Azevedo (1831-1852) e Aureliano Lessa (1828-1861). Os três e outros estudantes fundaram a Sociedade Epicureia.