Banca de jornal

  • question book-4.svg
    esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2010). ajude a inserir referências. conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
    banca de jornal e revistas em salta.
    banca de jornal e revistas na praça da savassi, em belo horizonte.
    banca de jornal em são paulo meados do século xx.

    as bancas de jornal e os jornaleiros são a última etapa da cadeia de produção e distribuição dos produtos de jornalismo impresso e editoriais. nas grandes cidades brasileiras, as bancas são quiosques de venda de publicações periódicas, instaladas em pontos estratégicos como esquinas e avenidas de grande movimento. nos eua, por outro lado, a maior parte dos jornais é vendida em máquinas automáticas acionadas com moedas. em alguns outros países, os jornais e revistas são vendidos em livrarias, tabacarias, charutarias, bombonieres e outras lojas específicas.

    os jornaleiros (ou gazeteiros), que vendem exemplares avulsos na rua, costumam trabalhar pelo sistema de consignação, recebendo comissão percentual ao valor de cada jornal ou revista vendido e devolvendo à distribuidora ou editora os exemplares não vendidos ("encalhados").

    os produtos mais comumente vendidos em bancas de jornal são, entre outros:

    • jornais
    • revistas
    • revistas de histórias em quadrinhos ou gibis
    • álbuns de figurinhas e seus respectivos cromos colecionáveis

    recentemente, a estratégia de marketing das editoras e jornais tem incluído a comercialização conjunta de produtos de valor agregado e colecionáveis — como cds e dvds, ou até mesmo atlas e enciclopédias encartados em fascículos —, que vêm incluídos no preço da publicação ou que podem ser adquiridos opcionalmente por um custo adicional. em certos casos, a receita da venda destes produtos não vai para o jornaleiro, e sim para a editora.

    bancas de jornal também costumam vender outros artigos de pequeno valor não-relacionados a publicações, como isqueiros, cigarros, cartões telefônicos e pilhas.[1]

    uma tendência que vem crescendo na europa e em outros países do primeiro mundo é a distribuição gratuita de jornais, em metrôs e supermercados. estes jornais são mantidos exclusivamente pela receita publicitária, em lugar da venda. nestes casos, as bancas são dispensáveis para a circulação, o que às vezes atrai a antipatia por parte dos jornaleiros contra estas publicações.

    além das bancas de jornal, as publicações editoriais ou periódicas têm como alternativa para distribuição também os sistemas de assinatura ou subscrição.

    no brasil, o dia do jornaleiro é instituído no dia 30 de setembro.

    referências

  • ver também
  • ligações externas

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2010). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Banca de jornal e revistas em Salta.
Banca de jornal e revistas na Praça da Savassi, em Belo Horizonte.
Banca de jornal em São Paulo meados do século XX.

As bancas de jornal e os jornaleiros são a última etapa da cadeia de produção e distribuição dos produtos de jornalismo impresso e editoriais. Nas grandes cidades brasileiras, as bancas são quiosques de venda de publicações periódicas, instaladas em pontos estratégicos como esquinas e avenidas de grande movimento. Nos EUA, por outro lado, a maior parte dos jornais é vendida em máquinas automáticas acionadas com moedas. Em alguns outros países, os jornais e revistas são vendidos em livrarias, tabacarias, charutarias, bombonieres e outras lojas específicas.

Os jornaleiros (ou gazeteiros), que vendem exemplares avulsos na rua, costumam trabalhar pelo sistema de consignação, recebendo comissão percentual ao valor de cada jornal ou revista vendido e devolvendo à distribuidora ou editora os exemplares não vendidos ("encalhados").

Os produtos mais comumente vendidos em bancas de jornal são, entre outros:

Recentemente, a estratégia de marketing das editoras e jornais tem incluído a comercialização conjunta de produtos de valor agregado e colecionáveis — como CDs e DVDs, ou até mesmo atlas e enciclopédias encartados em fascículos —, que vêm incluídos no preço da publicação ou que podem ser adquiridos opcionalmente por um custo adicional. Em certos casos, a receita da venda destes produtos não vai para o jornaleiro, e sim para a editora.

Bancas de jornal também costumam vender outros artigos de pequeno valor não-relacionados a publicações, como isqueiros, cigarros, cartões telefônicos e pilhas.[1]

Uma tendência que vem crescendo na Europa e em outros países do Primeiro Mundo é a distribuição gratuita de jornais, em metrôs e supermercados. Estes jornais são mantidos exclusivamente pela receita publicitária, em lugar da venda. Nestes casos, as bancas são dispensáveis para a circulação, o que às vezes atrai a antipatia por parte dos jornaleiros contra estas publicações.

Além das bancas de jornal, as publicações editoriais ou periódicas têm como alternativa para distribuição também os sistemas de assinatura ou subscrição.

No Brasil, o Dia do Jornaleiro é instituído no dia 30 de setembro.

Referências

  1. Letícia Mori (24 de novembro de 2013). «Bancas de jornal querem aproveitar nova lei para reconquistar público perdido». Bancas de jornal querem aproveitar nova lei para reconquistar público perdido. Consultado em 22 de maio de 2018