Búlgaros
English: Bulgarians

Disambig grey.svg Nota: Para o povo de origem asiática do qual parte dos búlgaros atuais são descendentes, veja Protobúlgaros.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Búlgaros
Българи
Bǎlgari
Bulgare.jpg
População total

11 milhões -
13 milhões com macedônios 1

Regiões com população significativa
 Bulgária6 655 2102(2001)
 Turquia600 000 4[12][1]
 Ucrânia204 0002(2002)
 Espanha164 3533(2007)
 Moldávia84 000 - 250 000 1(2002)
 Estados Unidos92 841 - 300 0002
 Brasil62 0002(2006)
 Argentina70 0004
 Albânia50 000 - 200 000[13]
 Alemanha39 1703(2005)
 Grécia78 981 - 673 0003(2001)
 Rússia32 0002(2002)
 Reino Unido30 000 - 70 0003(2002)
 Chipre37 2303(2001)
 Sérvia21 500 - 800 0002(2002)
 Itália15 370 - 70 0003(2004)
 Canadá42 455 - 100 000 2(2001)
 Irlanda10 0005(2001)
 Roménia8 000 - 50 0002(2001)
 Cazaquistão6 9152(1999)
 Áustria5 3883(2001)
 República Checa4 3806(2001)
 França4 000(2003)
 Hungria3 0002(2001)
Línguas
búlgaro macedónia
Religiões
É predominante a Igreja Ortodoxa Búlgara. Ateísmo, islamismo, catolicismo romano e protestantismo também estão presentes.
Distribuição étnica dos búlgaros na Bulgária

Os búlgaros (em búlgaro: българи; transl.: bǎlgari) são um povo eslavo, pertencente ao grupo dos eslavos do sul,[2][3][4] geralmente associado com a República da Bulgária e a língua búlgara. Existem minorias búlgaras e comunidades imigrantes em diversos outros países também.

Origens étnicas

Geograficamente, a Bulgária está situada na cabeça de ponte entre a Europa e a Ásia. Os dados do DNA búlgaro sugerem que uma expansão demográfica humana ocorreu em sequência no Oriente Médio, atravessou a Anatólia e se espalhou para o resto da Europa (Bulgária incluída). A taxa de tempo estimada desta expansão abrange aproximadamente os últimos 50 000 anos, correspondendo à chegada dos humanos anatomicamente modernos à Europa.[5] Do ponto de vista histórico, os búlgaros são descendentes de três principais grupos étnicos que se misturaram nos Bálcãs entre os séculos VI e X: tribos locais, que incluíam os trácios; invasores eslavos, dos quais os búlgaros herdaram a língua; e os protobúlgaros falantes de línguas túrquicas, dos quais o gentílico e a mais antiga condição de estado foram herdados.

Na aparência física, a população búlgara é caracterizada pelas feições do tipo antropológico europeu meridional,[6] com algumas influências adicionais. Geneticamente, os búlgaros são mais proximamente aparentados com as outras populações balcânicas (macedônios, gregos, romenos) que com as demais populações europeias.[7][8] Por outro lado, eles são mais proximamente aparentados com algumas populações mediterrâneas e anatólias, como armênios, italianos, turcos, cretenses e sardos..[9][10] Eles também são aparentados com escandinavos, bósnios e croatas.[11] Do ponto de vista antropológico, os búlgaros são caracterizados por diferentes elementos étnicos que incluem uma estatura atlanto-mediterrânea de média para alta, cabelos parcialmente louros neo-danubianos, típico nariz arrebitado e uma aparência nórdica, dinárica, com o resultado comum alpino, e turca asiática central braquicéfala ou tártara. O elemento básico é o atlanto-mediterrâneo, que provavelmente chegou antes do neolítico; o neo-danubiano foi provavelmente introduzido pelos eslavos e úgricas, embora alguns deles sejam mais antigos; o nórdico pode ter várias origens, incluindo a trácia; o dinárico é simplesmente o resultado da mescla com elementos locais na Macedônia do Norte; o turco é encontrado principalmente na Bulgária oriental, majoritariamente entre os habitantes das cidades e pastores, mas não entre agricultores. Destes elementos variados, os dois primeiros são os mais importantes.[12]

A contribuição étnica das populações nativas dos trácios e dos daco-getas, que viviam no território da atual Bulgária e lá estabeleceram o Reino Odrísio foi por muito tempo debatida entre os cientistas no século XX. Alguns estudos genéticos recentes revelam que estes povos realmente tiveram uma contribuição significante nos genes da moderna população búlgara, que é comparável, ou um pouco menor, que a contribuição para outros grupos balcânicos (albaneses, gregos, romenos) e italianos.[13] Isto também é evidente no tipo antropológico mediterrâneo oriental dos búlgaros modernos.[14] As antigas línguas dos povos locais já tinham se tornado extintas antes da chegada dos eslavos, e as influências culturais destes povos foram altamente reduzidas devido às repetidas invasões bárbaras (godos, celtas, hunos e sármatas) nos Bálcãs durante o começo da Idade Média, acompanhadas pelas persistentes helenização, romanização e, por último, eslavização. Os celtas também se expandiram ao sul do Danúbio e de seus afluentes no século III a.C. Eles estabeleceram um estado em parte do território da moderna Bulgária, com a capital em Tílis, que eles governaram por um século.

Os eslavos emergiram de sua terra natal original (a opinião mais comum sugere que tenha sido na Europa oriental) no começo do século VI, e se espalharam pela maior parte da Europa central, Europa oriental e Bálcãs, formando três ramos principais: os eslavos ocidentais, os eslavos orientais e os eslavos do sul. Os eslavos do sul mais orientais se tornaram parte dos ancestrais dos búlgaros, que, no entanto, são claramente separados geneticamente do coeso grupo de DNA da maioria dos povos eslavos. Este fenômeno é explicado pela "contribuição genética dos povos que viveram na região antes da expansão eslava".[15] A freqüência do haplogrupo R1a1 eslavo proposto alcança apenas 14,7% na Bulgária.

Os protobúlgaros eram um povo semi-nômade que, acredita-se, falavam uma língua turkomana, e que durante o século II migraram da Ásia Central para a estepe norte caucasiana. Entre 377 e 453, participaram das incursões hunas na Europa central e ocidental. Depois da morte de Átila em 453, e a subsequente desintegração do império huno, as tribos protobúlgaras se dispersaram principalmente para as partes oriental e sudeste da Europa. No final do século VII, algumas tribos protobúlgaras, umas comandadas por Asparuque e outras por Kuber, estabeleceram-se permanentemente nos Bálcãs, e formaram a classe dominante do Primeiro Império Búlgaro em 680-681. O patrimônio genético asiático fluiu para os búlgaros, provavelmente introduzido pelos protobúlgaros e outros povos das estepes que também contribuíram com as origens genéticas búlgaras, como cumanos, pechenegues e ávaros, como é indicado através da limitada presença de alguns alelos e haplótipos raros.[16][17]

Por outro lado, os macedônios vizinhos são cultural, linguística e geneticamente muito próximos dos búlgaros, com suas línguas sendo mutuamente inteligíveis. Os macedônios étnicos eram identificados como "búlgaros" pela maioria dos etnógrafos até a metade do século XX. As razões para isto eram várias, particularmente então por causa do recente surgimento de uma consciência nacional macedônia e independência religiosa, assim como pelo fluido e intercambiável significado de "etnia" no século XIX. Uma proporção ínfima de cidadãos da Macedônia do Norte continua a se identificar como búlgaros étnicos, e compôs cerca de 0,5% da população no último censo. Recentemente, a Bulgária tem mantido uma política de tornar o processo o mais fácil possível para macedônios étnicos que reivindicam origem búlgara para obter cidadania.[18] Durante os últimos anos, quando a Bulgária viu crescer a prosperidade econômica e a admissão à União Europeia, cerca de 60 000 cidadãos da Macedônia do Norte requereram a cidadania búlgara por este caminho.[19]