Aruaques
English: Arawak

Disambig grey.svg Nota: Para as línguas faladas pelos Aruaques, veja Línguas aruaques.
Aruaques
Mulher arawak usando kweyou, espécie de tanga tecida com sementes, e adornos, destacando-se uma placa de prata no nariz (gravura de 1839, por P.J. Benoît).
População total
Regiões com população significativa
América do Sul
Línguas
línguas aruaques, língua guarani, língua castelhana, língua portuguesa
Religiões

Aruaques, também conhecidos como aravaques e arauaques, são numerosos grupos indígenas da América cujas línguas pertencem à família linguística aruaque (de arawak, "comedor de farinha"). São encontrados em diferentes partes da América do Sul - Bolívia, Brasil, Colômbia, Guiana, Paraguai, Peru, Venezuela e Antilhas.[1]

No tronco linguístico arawak (arahuaco em espanhol; aportuguesado como "aruaque"), estão catalogadas 74 línguas de vários povos indígenas do Brasil, dentre as quais a língua tariana, a língua palicur, a língua baníua, a língua terena e a língua iaualapiti.

No fim do século XV, os arawaks encontravam-se dispersos pela Amazônia, nas Antilhas, Bahamas, na Flórida e nos contrafortes da Cordilheira dos Andes. Os grupos mais conhecidos são os Tainos, que viviam principalmente na ilha de Hispaniola, em Porto Rico e na parte oriental de Cuba. Os que povoavam as Bahamas foram chamados lucaianos (lukku-cairi ou "povo da ilha").

Trata-se de populações neolíticas praticantes da agricultura, da pesca e da coleta. Produziam também uma cerâmica extremamente rica em adornos e pinturas brancas, negras e amarelas. As populações ameríndias das Antilhas não conheciam a escrita.

Aruaques na Era Pré-Columbiana

As línguas arawakanas podem ter surgido no vale do rio Orinoco. Subseqüentemente, elas se espalharam amplamente, tornando-se de longe a família de idiomas mais extensa da América do Sul na época do contato europeu, com falantes localizados em várias áreas ao longo dos rios da bacia do Orinoco e dos Amazonas.

Michael Heckenberger, um antropólogo da Universidade da Flórida que ajudou a fundar o Projeto Amazônia Central, e sua equipe encontraram cerâmica elaborada, aldeias circunvizinhas, campos elevados, grandes montes e evidências de redes comerciais regionais que são todos indicadores de uma cultura complexa. Há também evidências de que eles modificaram o solo usando várias técnicas, como a queima deliberada de vegetação para transformá-lo em terra negra, que até hoje é famosa por sua produtividade agrícola. Segundo Heckenberger, a cerâmica e outros traços culturais mostram que essas pessoas pertenciam à família de línguas aruaques.[2]