Animação

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)

Animação refere-se ao processo segundo o qual cada fotograma de um filme é produzido individualmente, podendo ser gerado tanto por computação gráfica quanto fotografando uma imagem desenhada ou repetidamente fazendo-se pequenas mudanças a um modelo (ver claymation e stop motion), fotografando o resultado. Quando os fotogramas são ligados entre si e o filme resultante é visto a uma velocidade de 16 ou mais imagens por segundo, há uma ilusão de movimento contínuo (por causa do fenômeno phi). A construção de um filme torna-se assim um trabalho muito intensivo e por vezes entediante. O desenvolvimento da animação digital aumentou muito a velocidade do processo, eliminando tarefas mecânicas e repetitivas.

A produção da animação consome muito tempo e é quase sempre muito complexa. Animação limitada é uma forma de aumentar a produção e geração. Esse método foi usado de forma pioneira pela UPA e popularizada pela Hanna-Barbera.

História

Ver artigo principal: História da animação

A história do filme de animação começa com os primeiros momentos do cinema mudo e continua até os dias de hoje.
Contudo, a história das Imagens Animadas começa antes, com a produção de Brinquedos Ópticos tais como o Fenaquiscópio (ou também, fenaquistiscópio), inventado em 1832 pelo belga Joseph Plateau e pelo austríaco Simon von Stampfer, simultaneamente.

O primeiro desenho animado foi realizado pelo Francês Émile Reynaud, que criou o praxinoscópio, sistema de animação de 12 imagens, e filmes de aproximadamente 500 a 600 imagens, projetado no seu próprio théatre optique (teatro óptico), sistema próximo do moderno projetor de filme, no Musée Grévin em Paris, França, em 28 de Outubro de 1892.

O primeiro desenho animado em um projetor de filmes moderno foi Fantasmagorie pelo diretor francês Émile Courtet (também chamado de Émile Cohl), projetado pela primeira vez em 17 de Agosto de 1908 no ' Théâtre du Gymnase', em Paris. Courtet foi para Fort Lee,próximo da cidade de Nova York em 1912, onde trabalhou para o estúdio francês Éclair e espalhou sua técnica pelos Estados Unidos.

O primeiro filme de longa-metragem animado foi El Apóstol (1917) do Argentino Quirino Cristiani, mostrado na Argentina.

Durante a década de 1910, os curtas-metragens de animação, são normalmente referido como "animated cartoons" ou "desenhos animados", devido o uso de técnicas de animação tradicional[1] O termo cartunista, usado para criadores de humor gráfico (caricaturas, cartoon e charges)[2] e tiras de jornal,[3] também é usado para artistas que trabalham com animação.[4] De fato, alguns dos precursores do cinema de animação trabalhavam com tiras de jornal, é o caso de Winsor McCay (1869-1934), autor da tira Little Nemo e criador da animação Gertie the Dinosaur 1914.[5][6]


Cinema

Gato Félix no curta The Goose That Laid the Golden Egg (1936)
Steamboat Willie
Ver artigo principal: Steamboat Willie

Mesmo que Ko-Ko Song Car-Tunes ou Song Car-Tunes do estúdios Fleischer foi a percusora da animação sonora a Steamboat Willie de Walt Disney foi a animação sonora com mais sucesso ao público na época. No desenho que celebrizou Mickey Mouse. O próprio Walt Disney regeu a orquestra responsável pela trilha sonora e fez a voz do camundongo, criado no mesmo ano em duas animações mudas que passaram quase despercebidas. A estreia sonorizada impulsionou o personagem ao estrelato: em apenas um ano, Mickey ganhou mais de 15 desenhos.

Gato Félix
Ver artigo principal: Gato Félix

Lançado pelo americano Otto Messmer e pelo australiano Pat Sullivan, o risonho gato preto apareceu pela primeira vez na animação Feline Follies ("Folias Felinas"), em 1919. Félix foi o maior astro da era dos desenhos mudos, mas não conseguiu sobreviver ao cinema sonoro.

Flowers and Trees
Ver artigo principal: Flowers and Trees

Em 1932, Walt Disney foi à Technicolor, empresa que tinha criado um sistema para usar cores em filmes, e pediu-lhes exclusivamente por dois anos. O primeiro resultado da parceria foi Flowers and Trees ("Flores e Árvores"), o pioneiro desenho colorido, que deu a Disney um Oscar no primeiro ano em que foi criado um troféu específico para celebrar a animação.

Televisão

Em 1928, a W2XBS fez um teste de transmissão com um boneco do Gato Félix, dez anos depois, surge a primeira animação produzida para a televisão, Willie the Worm, criada por Chad Grothkopf, porém, devido aos custos de produção, a produção de animação exclusivamente para a televisão foi adiada, os canais preferiram exibir animação antes exibidas no cinema, muitas vezes adquiridas através de pirataria. Entre 1949 e 1950, surgem as primeira séries exclusivas para a televisão Tele-Comics e Crusader Rabbit, a primeira foi produzida pela Vallee Video e assim como antigos seriados cinematográficos usava cliffhangers ou "ganchos" no final dos episódios, a segunda foi desenvolvida por Jay Ward e Alex Anderson e produzida por Jerry Fairbank.[7]


Em 1958, Hanna-Barbera lançou Huckleberry Hound, o primeiro programa de meia hora de duração totalmente dedicado a animação. Terrytoons lançado Tom Terrific no mesmo ano.[8] Aos poucos, a televisão diminuiu significativamente a atenção pública para os curtas de animação produzidos para os cinemas. Devido ao custos, a animação do período era produzida com diversas técnicas de animação limitada,[7] prática que foi imitada mercado japonês.[9] A produtora Filmation ficou conhecida pelo uso da técnica da rotoscopia.[10]

Animação na web

Animação em imagem GIF.

Junto com a popularização da Web, animações para a mesma também foram se popularizando. GIF, uma sigla para Graphics Interchange Format (Formato de Intercâmbio de Gráficos), é um tipo de arquivo de imagem que permite que animações sejam vistas num Web Browser. Ele era o formato mais popular para animações na Web até relativamente pouco tempo. Porém, é um formato limitado, permitindo apenas 256 cores simultâneas e muitas vezes gerando arquivos grandes para animações mais complexas. Com o surgimento de outros formatos, como o Flash, criado pela Macromedia e actualmente mantido pela Adobe, ele passou a ser utilizado apenas para pequenas animações. O Flash também tem a vantagem de permitir uso de efeitos sonoros e de criar animações interativas, dentre outras.

A nova versão do Flash já conta até com ferramentas para animação em 3D, que permite maiores possibilidades de efeitos nas animações.