Angela Merkel
English: Angela Merkel

Angela Merkel
Chanceler da Alemanha
Período22 de novembro de 2005
a atualidade
Vice-ChancelerFranz Müntefering
Frank-Walter Steinmeier
Guido Westerwelle
Philipp Rösler
Sigmar Gabriel
Olaf Scholz
AntecessorGerhard Schröder
Líder da União Democrata-Cristã
Período10 de abril de 2000
a 7 de dezembro de 2018
Secretaria-GeralRuprecht Polenz
Laurenz Meyer
Ronald Pofalla
Hermann Gröhe
Peter Tauber
Annegret Kramp-Karrenbauer
AntecessorWolfgang Schäuble
SucessorAnnegret Kramp-Karrenbauer
Líder d'A União CDU/CSU no Bundestag
Período22 de setembro de 2002
a 18 de setembro de 2005
Deputado(s)Horst Seehofer
Ronald Pofalla
AntecessorFriedrich Merz
SucessorVolker Kauder
Secretária-Geral da União Democrata-Cristã
Período7 de novembro de 1998
a 10 de abril de 2000
LíderWolfgang Schäuble
AntecessorPeter Hintze
SucessorRuprecht Polenz
Ministra do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear
Período17 de novembro de 1994
a 26 de outubro de 1998
ChancelerHelmut Kohl
AntecessorKlaus Töpfer
SucessorJürgen Trittin
Ministra da Família, Pessoas Idosas, Mulheres e Jovens
Período18 de janeiro de 1991
a 17 de novembro de 1994
ChancelerHelmut Kohl
AntecessorUrsula Lehr
SucessorClaudia Nolte
Membro do Bundestag
Período22 de setembro de 2013
a atualidade
Grupo constituinteVorpommern-Rügen – Vorpommern-Greifswald I
AntecessorClaudia Nolte
SucessorUrsula Lehr
Dados pessoais
Nome completoAngela Dorothea Merkel
Nascimento17 de julho de 1954 (65 anos)
Hamburgo, Alemanha Ocidental
(atual Alemanha)
Nacionalidadealemã
Alma materUniversidade de Leipzig
CônjugeUlrich Merkel (1977–1982)
Joachim Sauer (1998-atualmente)
PartidoDespertar Democrático (1989-1990)
União Democrata-Cristã (1990-atualmente)
ReligiãoLuteranismo
ProfissãoCientista
AssinaturaAssinatura de Angela Merkel
Websitewww.angela-merkel.de

Angela Dorothea Merkel (Hamburgo, 17 de julho de 1954) é uma política alemã e atual chanceler do país desde 2005 e foi líder do partido de centro-direita União Democrata-Cristã (CDU) de 2000 a 2018. Ela tem sido amplamente descrita como a líder de fato da União Europeia, a mulher mais poderosa do mundo e a atual "líder do Mundo Livre".[1]

Merkel nasceu em Hamburgo, na Alemanha Ocidental, e mudou-se para a Alemanha Oriental ainda criança, quando seu pai, um clérigo luterano, recebeu um pastorado em Perleberg. Ela se formou em química quântica em 1986, e trabalhou com pesquisas científicas até 1989. Após a Revolução de 1989, ela entrou na política e por um curto prazo foi porta-voz do primeiro governo democraticamente eleito na Alemanha Oriental, liderado por Lothar de Maizière em 1990. Após a reunificação alemã, Merkel foi eleita para o Bundestag, pelo estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, sendo reeleita desde então. Como protegida do chanceler Helmut Kohl, ela foi nomeada Ministra do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear da Alemanha em 1994. Depois que o seu partido perdeu as eleições federais em 1998, ela foi eleita secretária-geral da CDU, antes de vir a se tornar a primeira líder mulher do partido dois anos depois, após um escândalo de corrupção vir a tona e derrubar Wolfgang Schäuble.

Ela foi eleita a primeira chanceler da Alemanha, após as eleições de 2005, com uma grande coalizão formada pelo CDU, seu partido, a União Social Cristã (CSU), partido irmão do CDU na Baviera, e o Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD). Nas eleições federais de 2009, a CDU obteve a maior parte dos votos e Merkel conseguiu formar um governo de coalizão com o Partido Democrático Liberal (FDP). Nas eleições de 2013, a CDU obteve uma vitória esmagadora com 41,5% dos votos e formou uma segunda grande coalizão com o SPD, depois que o FDP perdeu toda a sua representação no Bundestag. Nas eleições federais de 2017, a CDU novamente se tornou o maior partido, e Merkel foi reeleita para o seu quarto mandato em 14 de março de 2018.

Em 2007, Merkel foi presidente do Conselho Europeu e desempenhou papel central nas negociações do Tratado de Lisboa e na Declaração de Berlim. Uma das prioridades consistentes de Merkel, tem sido o fortalecimento das relações econômicas transatlânticas. Merkel, desempenhou um papel crucial na gestão da crise financeira a nível europeu e internacional. Na política interna, a reforma no serviço de saúde, os problemas relativos ao desenvolvimento energético futuro e, mais recentemente, a abordagem de seu governo diante da atual crise migratória, foram questões importantes durante a sua chancelaria. Em 26 de março de 2014, Merkel tornou-se a chefe do governo com mais tempo na União Europeia e atualmente é a líder sênior do G7.

Infância e juventude

Angela Dorothea Merkel (pronúncia em alemão IPA[aŋˈɡeːla doʁoˈteːa ˈmɛʁkəl] Ltspkr.png ouça) nasceu Angela Dorothea Kasner, em Hamburgo, Alemanha Ocidental, filha de Horst Kasner (1926-2011),[2] natural de Berlim, e sua esposa Herlind, nascida Herlind Jentzsch, em 1928, em Danzig (hoje Gdańsk, Polônia), uma professora de inglês e latim. A sua mãe fora membro do Partido Social-Democrata da Alemanha.[3]

Em entrevista a Der Spiegel em 2000, Merkel declarou ser um quarto polaca.[4] Kasner foi o nome inventado pelo avô Ludwig Kazmierczak em 1930, depois de ter deixado Poznan na sua Polónia Natal, com destino à Alemanha.[5] O jornal semanal Preußische Allgemeine Zeitung, tentando estabelecer se esta referência se devia aos seus avós maternos, Willi Jentzsch e Gertrud Drange, informou que, de acordo com suas pesquisas, ambos tinham ascendência alemã e viviam em Danzig, onde Willi Jentzsch era um professor ginasial.[6] Merkel tem um irmão, Marcus (nascido em 7 de julho de 1957) e uma irmã, Irene (nascida em 19 de agosto de 1964).

O pai de Merkel estudou teologia em Heidelberg, Bielefeld e Hamburgo. A religião desempenhou um papel fundamental na migração da família de Merkel da Alemanha Ocidental para a Alemanha Oriental.[7] O avô paterno de Merkel era originalmente católico, mas toda a família se converteu ao luteranismo durante a infância de seu pai.[8] Em 1954, Horst Kasner recebeu um pastorado na igreja de Quitzow (perto de Perleberg em Brandemburgo), que então pertencia à Alemanha Oriental, e a família mudou-se para Templin. Dessa forma, Merkel cresceu numa região rural a 80 km ao norte de Berlim. Gerd Langguth, um ex-membro sénior da União Democrática Cristã de Merkel, afirma no seu livro[9] que a possibilidade da família de viajar livremente do leste para a Alemanha Ocidental durante os anos seguintes, bem como a sua posse de dois automóveis, leva à conclusão de que o pai de Angela Merkel tinha uma relação "simpática" com o regime comunista, uma vez que tal liberdade e privilégios para um pastor cristão e sua família teriam sido impossíveis na Alemanha Oriental.

Como a maioria dos alunos, Merkel foi membro do movimento juvenil oficial Juventude Livre Alemã (JLA), o movimento oficial da juventude comunista patrocinado pelo Partido Socialista Unificado da Alemanha, o único partido político até então permitido na Alemanha Oriental. A adesão era nominalmente voluntária, mas aqueles que não aderiam dificilmente obteriam acesso ao ensino superior.[10] No entanto, ela não participou da Jugendweihe, uma cerimônia secular de transição para a vida adulta que era comum na Alemanha Oriental, e em vez disso foi confirmada na Igreja Luterana (cerimônia que equivale à primeira comunhão da Igreja Católica). Mais tarde, na Academia de Ciências, ela tornou-se membro do conselho distrital da JLA e secretária para "Agitprop" (agitação e propaganda). Merkel afirmava que era secretária da cultura. Quando o presidente naquela época do distrito da JLA de Merkel a contradisse, ela insistiu que: "Segundo a minha memória, eu era secretária da cultura. Mas o que sei eu? Acredito que quando eu tiver 80, eu não vou saber de mais nada".[11] A avaliação de Merkel no curso obrigatório de marxismo-leninismo foi apenas genügend (suficiente, nota para aprovação) em 1983 e 1986.[12]

Na escola, aprendeu a falar russo fluentemente, e foi premiada por sua proficiência em russo e Matemática.[9]:50 Merkel foi educada em Templin e na Universidade de Leipzig, onde estudou física de 1973 a 1978. Enquanto estudante, participou na reconstrução da ruína do Moritzbastei, um projeto estudantil iniciado para criar o seu próprio clube e facilidades de recreação no campus. Tal iniciativa foi inédita na Alemanha Oriental naquele período, e inicialmente sofreu resistência da Universidade de Leipzig. No entanto, com o apoio da liderança local do Partido Socialista Unificado da Alemanha, o projeto foi autorizado.[13] Merkel trabalhou e estudou no Instituto Central de Físico-Química da Academia de Ciências em Berlim-Adlershof de 1978 a 1990. Depois de ser laureada com um doutorado por sua tese sobre química quântica,[14] trabalhou como pesquisadora e publicou vários trabalhos científicos.

Em 1989, Merkel envolveu-se no crescente movimento democrático após a queda do Muro de Berlim, juntando-se ao novo partido de centro-direita Despertar Democrático. Após a primeira (e única) eleição democrática do Estado da Alemanha Oriental, tornou-se a porta-voz adjunta do novo governo interino pré-unificação liderado por Lothar de Maizière.[9]:112–137