Andrew Wiles

  • andrew wiles
    nascimento 11 de abril de 1953 (65 anos)
    cambridge
    nacionalidade britânico
    alma mater universidade de oxford, universidade de cambridge
    prêmios prêmio whitehead (1988), prêmio fermat (1995),[1] prêmio rolf schock de matemática (1995), prêmio ostrowski (1995), prêmio wolf de matemática (1995/1996), medalha real (1996), prêmio de matemática nas (1996), prêmio cole (1997), clay research award (1999), prêmio shaw de matemática (2005), prêmio abel (2016), medalha copley (2017)[2]
    orientador(es) john coates[3]
    orientado(s) manjul bhargava, brian conrad, fred diamond, karl rubin, richard taylor
    instituições universidade de princeton
    campo(s) matemática

    andrew john wiles kbe frs(cambridge, 11 de abril de 1953) é um matemático britânico.

    professor na universidade de princeton, famoso por ter demonstrado, com a colaboração de richard lawrence taylor, o Último teorema de fermat (utf), em 1994.[4]

    anteriormente, andrew wiles já havia realizado importantes trabalhos na teoria dos números, obtendo os primeiros resultados da famosa conjectura de birch e swinnerton-dyer além de importantes contribuições para a "conjectura principal" da teoria de iwasawa.

    a odisséia de wiles começou em 1986, quando ken ribet, inspirado por uma ideia de gerhard frey, mostrou que o utf resultaria como uma consequência da conjectura de taniyama-shimura, pois cada uma das curvas elípticas poderia ser parametrizada por formas modulares. sendo menos singular que o utf, a conjectura de shimura-taniyama é mais ampla pois envolve ideias bastante fundamentais da teoria dos números. ninguém tinha qualquer ideia de como demonstrá-la.

    trabalhando em absoluto segredo e compartilhando seu progresso apenas com nicholas katz, também professor de matemática em princeton, wiles desenvolveu a prova da conjectura de taniyama-shimura, e a partir dela o utf. a prova é árdua e introduz muitas ideias novas.

    wiles foi bastante dramático na apresentação da prova. em junho de 1993, sem anunciar os tópicos com antecedência, agendou três palestras no newton institut. a audiência e o mundo estavam ávidos para conhecer o seu conteúdo.

    nos meses seguintes, o manuscrito da demonstração circulou somente entre um pequeno número de matemáticos. a primeira versão da prova dependia da construção de um sistema de euler e este aspecto mostrou ser bastante complicado, resultando numa versão final da demonstração diferente da original. esta dificuldade foi superada com a colaboração de richard lawrence taylor.

    a história romanceada da demonstração do utf está detalhadamente apresentada no livro de simon singh: "o Último teorema de fermat", editora record (br), 1998. o livro teve versão para a televisão na série de documentários científicos da bbc "horizon".

    referências

  • ligações externas

Andrew Wiles
Nascimento 11 de abril de 1953 (65 anos)
Cambridge
Nacionalidade britânico
Alma mater Universidade de Oxford, Universidade de Cambridge
Prêmios Prêmio Whitehead (1988), Prêmio Fermat (1995),[1] Prêmio Rolf Schock de Matemática (1995), Prêmio Ostrowski (1995), Prêmio Wolf de Matemática (1995/1996), Medalha Real (1996), Prêmio de Matemática NAS (1996), Prêmio Cole (1997), Clay Research Award (1999), Prêmio Shaw de Matemática (2005), Prêmio Abel (2016), Medalha Copley (2017)[2]
Orientador(es) John Coates[3]
Orientado(s) Manjul Bhargava, Brian Conrad, Fred Diamond, Karl Rubin, Richard Taylor
Instituições Universidade de Princeton
Campo(s) Matemática

Andrew John Wiles KBE FRS(Cambridge, 11 de abril de 1953) é um matemático britânico.

Professor na Universidade de Princeton, famoso por ter demonstrado, com a colaboração de Richard Lawrence Taylor, o Último Teorema de Fermat (UTF), em 1994.[4]

Anteriormente, Andrew Wiles já havia realizado importantes trabalhos na teoria dos números, obtendo os primeiros resultados da famosa conjectura de Birch e Swinnerton-Dyer além de importantes contribuições para a "conjectura principal" da Teoria de Iwasawa.

A odisséia de Wiles começou em 1986, quando Ken Ribet, inspirado por uma ideia de Gerhard Frey, mostrou que o UTF resultaria como uma consequência da conjectura de Taniyama-Shimura, pois cada uma das curvas elípticas poderia ser parametrizada por formas modulares. Sendo menos singular que o UTF, a conjectura de Shimura-Taniyama é mais ampla pois envolve ideias bastante fundamentais da teoria dos números. Ninguém tinha qualquer ideia de como demonstrá-la.

Trabalhando em absoluto segredo e compartilhando seu progresso apenas com Nicholas Katz, também professor de Matemática em Princeton, Wiles desenvolveu a prova da conjectura de Taniyama-Shimura, e a partir dela o UTF. A prova é árdua e introduz muitas ideias novas.

Wiles foi bastante dramático na apresentação da prova. Em junho de 1993, sem anunciar os tópicos com antecedência, agendou três palestras no Newton Institut. A audiência e o mundo estavam ávidos para conhecer o seu conteúdo.

Nos meses seguintes, o manuscrito da demonstração circulou somente entre um pequeno número de matemáticos. A primeira versão da prova dependia da construção de um sistema de Euler e este aspecto mostrou ser bastante complicado, resultando numa versão final da demonstração diferente da original. Esta dificuldade foi superada com a colaboração de Richard Lawrence Taylor.

A história romanceada da demonstração do UTF está detalhadamente apresentada no livro de Simon Singh: "O Último Teorema de Fermat", Editora Record (BR), 1998. O livro teve versão para a televisão na série de documentários científicos da BBC "Horizon".

Referências