Amoraíta
English: Amoraim

Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Página do Talmud onde pode se observar a divisão do conteúdo: Mixná e Guemará e suas notas marginais

Amoraim (אמוראים) singular: Amora (אמורא) cujo significado é o mesmo tanto em aramaico quanto no hebraico = orador ou intérprete, refere-se aos estudiosos ligados às Academias da Palestina (Tiberíades, Séforis e Cesareia) e da Babilônia (Neardea, Sura e Pumbedita) que atuaram no período aproximado de 300 anos (c. 200–500 d.C.). Com a conclusão da Mixná (encerramento feito por Judá o Príncipe), os Amoraim em sua época iniciaram uma sequência de exposições legais e foi por meio destes debates que a codificação da Guemará tomou forma e foi anexada à Mixná dando forma aos Talmudim; o Bavli (da Babilônia) e o Yerushalmi (de Jerusalém), os Amoraim babilônicos trabalharam na sua Guemará por um século além dos Amoraim palestinos, o Talmude Babilônico foi terminado em (c. 500 d.C.), conseguiu abranger mais tópicos e consequentemente ganhou mais autoridade do que o Talmud de Jerusalém.[1][2][3]

Observações necessárias

Sepultura Amoraíta em Tiberíades

Por muito tempo não haviam pessoas que questionassem a tradição rabínica, no entanto, Jacob Neusner (1932–2016 d.C.) um americano estudioso acadêmico do judaísmo e junto aos seus alunos; iniciaram uma série de questionamentos relacionados à confiabilidade das atribuições amoraítas, em parte por não haver fontes verificáveis fora da literatura rabínica e também baseando-se nas tradições paralelas encontradas dentro das próprias fontes rabínicas.[4] Os acadêmicos que tratam do assunto orientam ter muita cautela em formar opiniões que pendam para qualquer lado. O consenso acadêmicos é de que as narrativas rabínicas são formuladas para servir ao propósito moral edificante ou ensinar um modo de vida ideal para o rabino, mas, não devem ser consideradas como sendo histórias diretas ou biográficas e não devem ser utilizadas para tal propósito. Todas essas considerações metodológicas dificultam um projeto de apresentação das vidas e atividades dos amoraítas, mas, as apresentações resultantes dessa crítica se beneficiará com esses exames mais rigoroso das fontes que essa consideração metodológica exige.[5][6][7][8][9]