Alemanha Ocidental



Bundesrepublik Deutschland
República Federal da Alemanha
Merchant flag of Germany (1946–1949).svg
 
Flag of Saar (1947–1956).svg
1949 – 1990Flag of Germany.svg
FlagBrasão
BandeiraBrasão de Armas
Lema nacional
Einigkeit und Recht und Freiheit
"Unidade e Justiça e Liberdade"
Hino nacional
"Das Lied der Deutschen"
"A Canção dos Alemães"


Localização de Alemanha Ocidental
ContinenteEuropa
RegiãoEuropa Central
País Alemanha
CapitalBonn
Língua oficialAlemão
GovernoRepública federal parlamentar
Presidente
 • 1949–1959Theodor Heuss
 • 1959–1969Heinrich Lübke
 • 1969–1974Gustav Heinemann
 • 1974–1979Walter Scheel
 • 1979–1984Karl Carstens
 • 1984–1990Richard von Weizsäcker
Chanceler
 • 1949–1963Konrad Adenauer
 • 1963–1966Ludwig Erhard
 • 1966–1969Kurt Georg Kiesinger
 • 1969–1974Willy Brandt
 • 1974–1982Helmut Schmidt
 • 1982–1990Helmut Kohl
LegislaturaDieta
Período históricoGuerra Fria
 • 23 de maio de 1949Formação
 • 1 de janeiro de 1973Incorporação do Protetorado de Sarre
 • 3 de outubro de 1990Reunificação
Área
 • 1970248 577 km2
População
 • 1950 est.50 958 000 
 • 1970 est.61 001 000 
     Dens. pop.245,4/km²
 • 1990 est.63 254 000 
     Dens. pop.254,5/km²
MoedaMarco alemão

Alemanha Ocidental foi o nome pelo qual ficou mais conhecida a República Federal da Alemanha (Bundesrepublik Deutschland)[1] no período entre 23 de maio de 1949 e a reunificação da Alemanha, em 3 de outubro de 1990. A RFA foi constituída a partir de três das Zonas de ocupação aliada da Alemanha, na sequência da Segunda Guerra Mundial. A outra zona de ocupação, soviética, constituiu um Estado, à parte, a República Democrática Alemã, também referida como RDA (em alemão, Deutsche Demokratische Republik ou DDR), conhecida como Alemanha Oriental.

Durante a Guerra Fria (1947-1989), a Alemanha Ocidental, alinhada à OTAN, e a Alemanha Oriental, alinhada ao Pacto de Varsóvia, permaneceram divididas pela fronteira interna alemã. Depois de 1961, Berlim Ocidental ficou fisicamente separada de Berlim Oriental (e de toda a Alemanha Oriental) pelo Muro de Berlim. Tal situação durou até que a Alemanha Oriental foi dissolvida e dividida em cinco estados (Länder), que então se juntaram aos dez estados da República Federal e à reunificada cidade-estado de Berlim. Portanto, após a reunificação, a República Federal da Alemanha passou a ter dezesseis estados.

História

Ver artigo principal: História da Alemanha após 1945
Mapa da unificação.

Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), os líderes dos Estados Unidos, Reino Unido e da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) se encontraram na Conferência de Potsdam. Decidiram temporariamente dividir a Alemanha em quatro zonas de ocupação: francesa no sudoeste, britânica no noroeste, dos Estados Unidos no sul, e soviética no leste[2]. Em 1949 os três primeiros setores federalistas, foram agrupados formando a Alemanha Ocidental de governo capitalista, sendo que o último setor, referente à Alemanha Democrática, se transforma na Alemanha Oriental de governo comunista, alterando o curso da história já que a capital Berlim permaneceria, até 9 de novembro de 1989, integrada no setor democrático controlado pela União Soviética.

Com a união, a cidade de Bona, na Renânia, foi escolhida para representar a capital da Alemanha Ocidental sendo que o governo dos federados conseguiu manter uma posse de certa forma precária sobre parte de Berlim, igualmente dividida em zonas ocidental e oriental, que definitivamente situada em território da Alemanha Oriental, originou um corredor aéreo e uma rodovia internacional de ligação a essa parte ilhada.

Antes da década de 1970, a posição oficial da Alemanha Ocidental quanto à existência da Alemanha Oriental, de acordo com a Doutrina Hallstein, era de que o governo alemão-ocidental era o único democraticamente eleito e, por conta disso, representante legítimo do povo alemão, e qualquer país (com a exceção da URSS) que reconhecesse a existência da Alemanha Oriental teria relações diplomáticas cortadas com a Alemanha Ocidental.

No início dos anos 1970, a Ostpolitik de Willy Brandt levou ao reconhecimento mútuo entre as duas repúblicas. O Tratado de Moscovo (de agosto de 1970), o Tratado de Varsóvia (de dezembro de 1970), o Acordo dos Quatro Poderes de Berlim (de setembro de 1971), o Acordo de Trânsito (de maio de 1972), e o Tratado Básico (de dezembro de 1972) ajudaram a normalizar as relações entre os dois países fazendo com que ambos se juntassem à ONU.

A queda do Muro de Berlim[3] significou o marco da queda da Alemanha Oriental, que foi anexada à Alemanha Ocidental. A Alemanha de hoje é o mesmo Estado (mantém o nome de República Federal da Alemanha) agregando o território da antiga República Democrática Alemã. Os dois Estados adotaram a mesma moeda e alfândega em julho de 1990, a Alemanha Oriental foi dissolvida e anexada à República Federal da Alemanha finalizando a divisão oeste-leste, quando também foi perdido o sentido em referir-se a ela como "ocidental", bastando apenas o nome de Alemanha.