1582
English: 1582

SÉCULOS:Século XVSéculo XVISéculo XVII
DÉCADAS:15301540155015601570158015901600161016201630
ANOS:1577157815791580158215831584158515861587
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
WikisourceTextos originais no Wikisource

1582 em outros calendários
Calendário gregoriano1582
MDLXXXII
Ab urbe condita2335
Calendário arménioN/A
Calendário chinês4278 – 4279
Calendário judaico5342 – 5343
Calendários hindus
- Vikram Samvat
- Shaka Samvat
- Kali Yuga

1637 – 1638
1504 – 1505
4683 – 4684
Calendário persa960 – 961
Calendário islâmico990 – 991
Calendário rúnico1832
Rosto da Bula papal de Gregório XII que estabeleceu o Calendário Gregoriano

1582 (MDLXXXII, na numeração romana) foi o Ano da Reforma em que entrou em vigor o calendário perpétuo conhecido como Calendário gregoriano, porque aprovado pelo papa Gregório XIII, através da Bula Inter gravissimas, com o duplo objectivo de (1) corrigir o desfasamento do calendário juliano em relação à data inicial do equinócio da primavera e (2) corrigir o cálculo da Páscoa do calendário litúrgico católico, adoptado ao longo da Idade Média. Esta Reforma do Calendário tinha consequências (1) no calendário civil e (2) no calendário religioso da liturgia católica, mas foram aquelas que mais se destacaram pela anulação de 10 dias, no mês de outubro, a seguir ao dia 4 de outubro, embora não seja a única novidade. Assim o ano de 1582, que seria, normalmente, um ano comum no calendário juliano, com 365 dias, com a letra dominical G, e que teve início numa segunda-feira, foi em Portugal um ano menor ou incompleto, com apenas 355 dias e, para não interromper a sequência dos dias da semana, com duas letras dominicais - a letra dominical G até ao dia 4 de outubro (quinta-feira), inclusive, e a letra dominical C a partir do dia 15 de outubro (sexta-feira), inclusive, e assim terminou numa sexta-feira.

A correcção fez-se em Portugal na data proposta pelo Papa Gregório XIII em virtude da lei de Filipe I de Portugal, assinada em Lisboa, a 20 de setembro do mesmo ano, e nos outros reinos de Filipe II de Espanha, através de lei semelhante, tornando-se assim uma reforma do calendário com repercussão à escala mundial através da presença de portugueses e espanhóis em territórios em África, na Ásia e na América. Ao longo dos meses, anos e séculos seguintes[1] seria adoptado nos países católicos e depois nos protestantes, e tornar-se-ia progressivamente o calendário universal actualmente em vigor nas relações oficiais entre todos os países.